IL diz que Sérgio Gonçalves “é um liberal e não sabe”, ou “não quer que se saiba”

A Iniciativa Liberal reagiu à entrevista recente do FN ao presidente do PS-Madeira, dizendo a mesma “muito nos pasmou” e que “Sérgio Gonçalves, afinal, é um liberal e não sabe (ou sabe e não quer que se saiba)”. A entrevista, aponta a IL pela voz de Nuno Morna, “é merecedora de ser lida” porque Sérgio Gonçalves “repete o que a Iniciativa Liberal Madeira anda a dizer desde sempre. O que não tem nada de mal, bem pelo contrário. Só tem um problema. Gravíssimo. Não morde a mão que lhe dá de comer”.

“Sérgio Gonçalves sabe bem que não há monopólios no mercado livre. É um contrasenso que assim seja. O mercado livre, se efectivamente o for, não permite a sua existência. A competição entre os diferentes players, faz com que não haja hipótese de que existam. Os monopólios formam-se por deficiência da intervenção governamental. Ou porque regula mal, ou porque interfere na liberdade do mercado manipulando e deixando-se manipular, ou porque chama a si o monopólio”, sentencia a IL.

“Sérgio Gonçalves sabe perfeitamente que existem monopólios na Madeira, sejam eles privados ou públicos. Nos públicos temos o monopólio da electricidade exercido pela EEM. No privado temos a palhaçada cozinhada entre Pedro Calado e o Grupo Sousa em relação ao porto do Caniçal, o oligopólio dos transportes marítimos – que pagamos a preços exorbitantes, o das inspeções automóveis, a GESBA, o transporte via ferry para o Porto Santo, as ligações aéreas Madeira/Porto Santo. Não há concorrência, logo temos monopólio”, concluem os liberais.

Ao líder do PS Madeira “fica-lhe mal fazer, em relação a certos assuntos, como os três macacos: o que não vê, o que não ouve e o que não fala”.

“Sérgio Gonçalves mostrou que está comprometido com oligarquias regionais, que controlam importantes sectores da economia. As suas afirmações são gravíssimas. E isto não pode ser esquecido. Registamos também o silêncio dos socialistas laranja do PSD Madeira e da esquerdinha light do CDS Madeira. Na primeira grande escorregadela do líder do PS têm que se remeter ao silêncio, demonstrando, assim, serem a outra face da mesma moeda”, conclui Nuno Morna, pela Comissão Coordenadora da IL-Madeira.