Empreendedorismo como “matéria de estudo” e uma baixa de impostos, defende a Iniciativa Liberal

Nuno Morna_2

O partido Iniciativa Liberal apresentou um conjunto de propostas visando incentivar o empreendedorismo como “uma parte integral da nossa ambição”, apoiando o seu desenvolvimento “no nosso sistema educacional, nas nossas comunidades e no comportamento empresarial”.
Facilitar o acesso ao financiamento, sem que isso se torne facilitismo; Ver os privados que já se encontram no terreno como factores de potenciação de desenvolvimento; Desburocratizar procedimentos na criação de negócios; Premiar a criação de postos de trabalho, são alguns dos objetivos das propostas defendidas pelo IL.
O partido, que tem Nuno Morna como cabeça de lista à Assembleia Regional, quer apoiar o empreendedorismo “com impostos mais baixos, nomeadamente com isenção do Pagamento por Conta nos primeiros dois anos”, além de “reformular os programas de apoio à internacionalização, para que funcionem de forma eficaz e não com aumentos de burocracia”.
“Comprar, alugar ou renovar um prédio para um novo negócio pode ser extremamente caro. Permitir o uso criativo do mesmo espaço, com fluxos de negócio diversificados de modo a maximizar os ganhos e a minorar as despesas”.

Regionais 2019

A Iniciativa Liberal quer “proporcionar às empresas recursos que lhes permitam levar os seus negócios para um nível mais elevado é uma maneira comprovada de fortalecer a economia local. Aqui a formação assume um papel de relevante importância. Devem ser disponibilizados cursos de formação empresarial onde se ministrem conteúdos como Marketing, Publicidade, Contabilidade, Recursos Humanos, Gestão”.
Na formação académica, refere aquele partido, “deverá ser ponderada a possibilidade de introduzir o conteúdo “empreendedorismo” como matéria de estudo; Promover o empreendedorismo rural; Apoiando-se no que é defendido nos documentos sobre Economia, Energia, Mar e Ambiente, “fazer do Arquipélago uma “testbed” para as empresas testarem e criarem novas tecnologias em diferentes clusters; Ajudar a criar condições para que a Região Autónoma da Madeira se torne um local de eleição para startups internacionais de alta qualidade”.