Santana tem arraial com tradição

Santana Festa
Há festa nafreguesia de Santana.

 

Sílvio Mendes

É um dos arraiais mais concorridos da Madeira e realiza-se sempre no último domingo de julho. Referimo-nos à festa de Santa Ana na freguesia madeirense com aquela denominação.
O programa da festa que vai decorrer nos dias 28 e 29 de julho inicia-se com a saída da bandeira para o sítio da Torre com o objetivo de recolher as ofertas que a comunidade quiser fazer para ajudar às despesas da festa.
Será às 13 horas do próximo sábado, dia 28. Nesse dia às 13 horas haverá atuação da Banda Municipal de Santana.A chegada das romagens ao adro será às 19 horas e às 20 horas. Pelas 20h15 o grupo «Lírios do Norte» estará em palco com as suas canções de índole tradicional.

A missa a vigília começará às 21 horas.Nesse sábado às 22h45 haverá atuações dos grupos da Casa do Povo de Santana e do Rancho Folclórico de Soure. Aquele grupo tem a sua sede na vila portuguesa de Soure no distrito de Coimbra, situada na província da Beira Litoral, região do Centro de Portugal.
À meia noite terá lugar uma sessão de fogo de artifício.O conjunto «Amigos da Música» animará o arraial das 0h15 até às 3 horas da manhã de domingo.
A celebração litúrgica em louvor de Santa Ana principiará às 15 horas do domingo, dia 29 de julho.  No final decorrerá a procissão.
No que concerne à animação desse dia haverá atuações da Casa do Povo de Santana e do Rancho Folclórico de Soure entre as 17 horas e as 18 horas e do Grupo de Cordofones da Casa do Povo de Santana, pelas 18horas.
Meia hora depois a Banda Municipal de Santana vai animar o ambiente junto à igreja paroquial.

Às 20 horas haverá atuação de Tiago Silva e pelas 21 horas e também às 23 horas o conjunto «Os de Passagem» vai alegrar o arraial com a sua música.
O cantor madeirense João Quintino vai estar a atuar na festa entre as 22 horas e às 23 horas.
O encerramento do arraial será às 2 horas da madrugada.
Santa Ana é a mãe de Nossa Senhora e avó de Jesus. Sobre ela há poucos dados biográficos. As referências que chegaram até nós sobre os pais de Maria foram deixadas pelo Proto-Evangelho de Tiago, um livro escrito provavelmente no primeiro século e que não faz parte dos Evangelhos canónicos, ou seja, aqueles reconhecidos pela Igreja como oficiais.