Homicídio no Monte: O que leva uma pessoa a matar?

monte_madeira_-_jan_2012_-_13.jpg.jpegA freguesia do Monte está em estado de choque com o homicídio que ocorreu ao final da tarde de hoje e que vitimou o presidente da Associação dos Carreiros do Monte, Norberto Gouveia.

Trata-se de um crime de grande violência, morte a tiro com arma de fogo, que é difícil de compreender. Neste sentido, o Funchal Notícias falou com a psicóloga e psicoterapeuta, Graça Proença, para tentar perceber o que leva uma pessoa a cometer um crime tão violento.

Tendo em conta o contexto de briga e discussão a psicóloga explica que pode haver da parte do agressor ressentimentos exacerbados, nomeadamente, “vingança, raiva e ódio” que levam o agressor “a perder o controlo de si e a não medir as consequências dos seus actos e a achar que daquela forma pode resolver o seu problema, quando afinal está a criar um problema ainda maior”.

Graça Proença refere que o “ser humano ao nascer traz consigo uma tendência natural para dois sentimentos o bem e o mal”, e é fundamental que desde criança os educadores “neutralizem  a tendência que o lado mau tem de se sobrepor ao lado bom”.

Segundo a psicóloga o segredo está em “neutralizar as emoções negativas ao longo da vida” para quando um ser humano chegar à idade adulta consiga ultrapassar o “narcisismo que nasce connosco” e “reduza a violência que também é intrínseca” em nós e se torne numa pessoa boa,  agradável, solidária, amável, que quer bem outro e que se relaciona bem com todos.

Se não formos bem educados, ou “o desenvolvimento não for bem ajustado podemos nos tornar nuns selvagens capazes de fazer a piores coisas, inclusive matar”, salienta, Graça Proença, acrescentando, que “se o narcisismo que trazemos connosco não for combatido”, qualquer pessoa pode-se tornar altamente agressiva.

De forma geral, nos crimes de homicídio, sejam eles de que natureza forem, Graça Proença, esclarece que o problema “já vem do nascimento, da infância, da educação e da não capacidade do agressor de controlar o seu lado mau”.

A psicóloga foi mesmo buscar uma passagem bíblica, que é uma metáfora, mas que demonstra que  como o ser humano tem um lado tão violento que  “um irmão é capaz de matar o próprio irmão”, lembrando as personagens bíblicas de Abel e Caim.

Um crime hediondo como este que aconteceu no Monte não tem explicação, contudo, à luz da psicologia, ele pode ser interpretado como “o lado selvagem e mau que nasce com o ser humano e que ao não ser cuidado pode provocar atitudes e comportamentos agressivos que podem levar as pessoas a matar”.