Porto Santo pode geminar-se com dois concelhos açorianos

porto santo foto 2(Cristina Costa e Silva)

O concelho do Porto Santo poderá geminar-se com dois concelhos açorianos. O de Vila do Porto, o único da ilha de Santa Maria e o da Horta, o único na ilha do Faial. Essa foi uma das conclusões da visita que o presidente da Câmara Municipal do Porto Santo efetuou desde quarta-feira ao arquipélago dos Açores e que serviu, essencialmente, para começar a preparar a instalação do geoparque do Porto Santo, integrado no projeto regional liderado pela secretaria regional do Ambiente.

Esta visita de Filipe Menezes de Oliveira e do vereador responsável pelo pelouro do ambiente, Emanuel Melim, a quatro ilhas açorianas, coincidiu também com a visita, hoje, à Horta, da direção da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, tendo os autarcas portossantenses reunido com toda a equipa.

Sendo certo que o Porto Santo vai apostar fortemente no geoturismo, o autarca salientou que esta visita a Santa Maria, Pico, Faial e São Miguel foram o mote para arrancar com a criação do geoparque local que, de resto, ficará integrado no futuro geoparque da Madeira.

porto santo fotoJosé Leonardo da Silva e Luis Botelho, respetivamente presidente da Câmara da Horta e responsável pelo geoparque dos Açores, receberam os autarcas da ilha dourada, assumindo que aquela vertente do turismo é uma das joias da coroa do turismo do arquipélago. De facto, ao trazer a ideia para a nossa região, potenciam-se três vertentes: a didática, o geoturismo e a geoconservação dos recursos naturais, que podem mais tarde vir a ser classificados como geosítios e geoprodutos.

Filipe Menezes de Oliveira entende, por isso, que o futuro geoparque da região deverá chamar-se «da Madeira e do Porto Santo», de forma a que se evidenciem as duas ilhas, pois erradamente poderá ser assumida apenas a maior. No caso dos Açores, por exemplo, como não há nenhuma ilha com esse nome, não há lugar a confusões. Pede, por isso, ao Governo Regional que se sensibilize para essa questão, uma vez que quando houver projeção internacional terá de existir a justificação da relevância de cada local, despertando o interesse por ofertas específicas como, no caso da ilha dourada, os fósseis.

Menezes de Oliveira conta estar presente, no próximo ano, no encontro internacional que vai acontecer nos Açores, podendo ser um bom ponto de partida para atrair turismo científico e, quem sabe, realizar congressos na ilha dourada, preferencialmente nos meses em que a procura é mais baixa.

Dentro de pouco tempo o autarca pretende retribuir a visita aos municípios açorianos, bem como convidar a direção da Associação Nacional de Municípios Portugueses a visitar as potencialidades da ilha que poderia ter sido, segundo especialistas com quem conviveu durante estes dias, o primeiro geoparque português.

Agora, há que fazer as respetivas candidaturas a programas comunitários, como forma de angariar fundos para desenvolver estes projetos que são de interesse comum e que serão importantes para o desenvolvimento deste tipo de projetos.