Um gestor e economista com a paixão por automóveis clássicos

(foto retirada do perfil de Eduardo Jesus no LinkedIn)
(foto retirada do perfil de Eduardo Jesus no LinkedIn)

O próximo secretário regional da Economia, Turismo e Cultura é um conhecido economista. Madeirense, casado e pai de dois filhos, é licenciado em Gestão de Empresas e desempenhou, desde 1993, as funções de presidente do Conselho de Administração da ECAM, SA, (Empresa de Consultoria e Assessoria Empresarial da Madeira), que, como o próprio nome indica, é uma empresa de consultoria e assessoria empresarial que presta serviços nas áreas de contabilidade, consultoria fiscal e de gestão, elaboração de candidaturas aos sistemas de incentivos vigentes, processamento de dados e formação profissional. A ECAM tem colaborado com empresas como a Previsão, a Madconta ou a empresa do Diário de Notícias da Madeira na promoção do projecto técnico-editorial conhecido no meio empresarial madeirense como ‘As 100 Maiores e Melhores Empresas”. Eduardo Jesus também tem mantido colaboração, a nível de opinião, com o DN-Madeira.

Foi ainda presidente da delegação regional da Ordem dos Economistas.

secretaria-turismo

Eduardo Jesus tem uma faceta de grande apreciador de automóveis clássicos, bem como motos, que tem restaurado e conservado ao longo do tempo. Inclusive, tem marcado presença em vários eventos mundiais relacionados com veículos antigos e clássicos, e é organizador do Reid’s Palace Classic Auto Show Funchal.

Recentemente, editou mesmo um livro sobre o primeiro automóvel que veio para a Madeira, um Wolseley pertencente a um britânico abastado, Harvey Foster. A obra descreve como se vivia na Madeira no dealbar do século XX e conta com 128 imagens, 88 das quais da autoria de fotógrafos madeirenses. O carro, descobriu o autor, acabou por regressar a Inglaterra, onde foi vendido em 1912. Para a elaboração deste estudo consultou o espólio da Photographia Museu Vicente e do Arquivo Regional da Madeira, tendo investigado ainda bibliotecas, museus, colecções particulares. Os netos de Foster vieram à Madeira para o lançamento, tendo sido elaborado um baixo relevo, por Ricardo Veloza, que foi instalado na rotunda à entrada do porto do Funchal.

É considerado, pelos seus pares, um profissional competente. Por exemplo, o economista David Caldeira considera, “com  muita objectividade”, que se trata “de uma pessoa competente, que tem experiência do sector privado, tem experiência da Ordem dos Economistas, e demonstrou capacidade concreta de realizações, nomeadamente através das conferências que promoveu sobre o Turismo da Madeira”. O facto de ter realizado a publicação de um livro sobre o primeiro automóvel na Madeira é vista, por outro lado, como um exemplo dos diversos interesses que cultiva e nos quais gosta de ter acção.

SONY DSC
foto Rui Marote

“Muitas vezes somos iludidos por políticos que são capazes de articular um conjunto de palavras agradáveis, criando boas expectativas”, constata David Caldeira. Mas articular soluções meramente por palavras, afirma, não é difícil. Basta ter dois dedos de testa. A dificuldade está em passar para o terreno políticas concretas que conduzam aos objectivos que se pretende. “Por exemplo, toda a gente lhe dirá que é preciso que a economia cresça, e que o maior problema é o desemprego. Só há emprego com investimento, que não se pode criar por decreto. Qualquer pessoa pode dizer isto, inclusive eu. A questão dos governantes, está naqueles que têm a capacidade de passar ao terreno as acções concretas cujo efeito final seja exactamente este”.

David Caldeira “acredita plenamente” que Eduardo Jesus será um desses governantes, tratando-se de “uma excelente escolha”.

Já outros economistas por nós contactados afirmaram não conhecer muito bem Eduardo Jesus, o suficiente para dar opiniões abalizadas: mas sempre vão dizendo que se trata de “uma pessoa simpática” e com fama de “bom gestor”.