Estepilha: 20 anos a engodar para finalmente conseguir pescar

Rui Marote

Continuamos a desenterrar “esqueletos” dos armários. Uns no mundo dos vivos outros já no além… É interessante olhar para o passado.

Tão novinho, Estepilha! A Primavera volta sempre mas a Mocidade não volta mais!!! É como o azeite de galo: a cantar há mais de 20 anos!

Nem a “ruama” e o “engodo de arroz de lapas” funcionaram: o atum rabilho fez-se à isca.

“Ruama” no vocabulário popular do arquipélago da Madeira é peixe miúdo: chicharros e cavalas que são engolidos pelos peixes de grande porte.

Nestes 48 anos de democracia, a Madeira em nove actos eleitorais, teve 10 coligações:- Seis autárquicas, duas legislativas e duas regionais, disputadas acesamente entre duas “baleias”, o PS e PSD… e a restante ruama…

A primeira coligação foi para a Câmara do Funchal no ano 1989, entre o PS/CDS (Emanuel Jardim Fernandes e Ricardo Vieira) contra o “cetáceo” João Dantas do PSD. Eleições polémicas apelidadas de fraude eleitoral.

Na Junta de Freguesia de Santo António, a maior freguesia da região, foram depositados centenas de boletins de voto nas urnas, o que levou na altura da contagem e recontagem o juiz Neto a elaborar autos. Chegou a estar em cima da mesa anular o acto eleitoral. Mas tudo ficou em águas de bacalhau.

Em 1993 o PS conquista a Junta de Freguesia do Seixal.

Em 1997 o CDS volta a coligar-se com o PS. Era aquela história de “quem quer casar com a carochinha bela e formosa”…

Vários concelhos contraíram matrimónio: Calheta, Funchal, Ponta do Sol, Porto Moniz, Ribeira Brava, Santa Cruz, Santana e São Vicente. Machico e Porto Santo não aderiram.

Mais uma vez a “baleia” laranja engoliu toda a ruama.

O panfleto de campanha do  Porto Moniz e a ruama do CDS com uma candidata  na Assembleia Municipal, conquista a freguesia da Ribeira da Janela, através do dissidente laranja que aderiu à coligação encabeçada à Camara.

A palavra ruama, dizem, vem do hebraico e significa “armada” e misericórdia quando se trata de resolver os problemas dos outros…

Nos anos 2001 e 2005 o PS conquista as Achadas da Cruz e em 2009 volta a vencer nas Achadas da Cruz e conquista a Junta do Porto Moniz.

Em 2013 após 20 anos a engodar com “arroz de lapas”, consegue-se atrair o peixe graúdo e vencer as eleições até os dias de hoje.

Homem de muita “fé” que não virou a cara à luta.

Seguiu-se um interregno de divórcios, até que apareceu no Funchal o “salvador da pátria” Cafôfo, que fez um apelo à ruama lançando uma cruzada contra a “baleia” laranja que morreu na praia durante dois actos eleitorais, derrotando Bruno Pereira e Rubina Leal.

Cafôfo abandona a Câmara na conquista de um novo oceano intitulando-se Neptuno rei dos mares e candidata-se às eleições regionais. Não venceu mas a baleia laranja não tinha maioria na assembleia. Aqui entra a ruama do CDS num leilão de lota que deu a maioria à coligação PSD-CDS.

Estepilha, em 1989 e 2001, a ruama do CDS foi sempre engolida. Só em 2019 e 2021 o chicharro e a cavalinha (CDS) alimentam a baleia laranja.