Jovens comunistas da RAM preparam congresso nacional

Sob o lema “Mil lutas no caminho de Abril, Organizar e Transformar”, a JCP vai realizar nos dias 15 e 16 de Maio, no Ateneu Artístico Vilafranquense, em Vila Franca de Xira, o seu 12.º Congresso.

A organização da Região Autónoma Madeira da Juventude Comunista Portuguesa realizou ontem um plenário no âmbito da preparação do 12º Congresso da JCP, no qual elegeu os delegados ao congresso e discutiu o projecto de resolução política.

Neste plenário, foi abordada a situação política, social e económica, da juventude, a necessidade de reforçar a intervenção e organização da juventude, particularmente junto dos estudantes, e da juventude trabalhadora cuja luta cada vez mais é  necessária para denunciar e conquistar a resolução dos muitos problemas com que a juventude é confrontada.

As preocupações da Juventude Madeirense e  Porto-santense serão transmitidas em congresso com vista de apontar soluções concretas para melhorias das condições de vida dos jovens desta Região, promete a Juventude Comunista da RAM, que diz que os jovens madeirenses vivem momentos particularmente difíceis, agravados pelo surto pandémico de Covid-19, que adiou sonhos de vida, seja na área formativa, na área laboral, na área familiar ou habitacional.

A precariedade laboral que atinge principalmente os jovens, é factor de instabilidade laboral, social e até mesmo familiar, apontam, Em média, um jovem trabalhador com vínculo precário aufere salários inferiores em 30 % do que um trabalhador com vínculo efectivo, mas também é uma antecâmara do desemprego, em que os efeitos da pandemia veio evidenciar.

Na Região Autónoma da Madeira, os dados estatísticos mais recentes apontam para a existência de mais de 7.200 jovens desempregados com idades compreendias entre 18 e 34 anos, que representa mais 35% do total de desempregados do Região, enuncia a JCP.

A preparação e construção do 12° Congresso visa discutir todas estas problemáticas, de forma a intervir para podermos mudar o rumo que a juventude tem seguido vítimas de políticas de empobrecimento e falta de investimento.