PSD-M considera “inaceitável” agravamento do custo das viagens aéreas pela TAP

TAP recuou no fim da tarifa de desporto e José Prada diz que há uma “atitude compulsiva” da companhia para “prejudicar a Madeira e o Porto Santo”.

O secretário-geral do PSD/Madeira, José Prada, veio considerar “inaceitável que a TAP tenha decidido agravar, de forma deliberada, o custo das viagens aéreas cobrado aos Madeirenses e Porto-santenses que viajam neste Natal, especialmente os estudantes universitários. Agravamento esse assumido, sem qualquer aviso prévio, através da introdução de uma nova taxa que se associa ao preço das passagens e que confirma, uma vez mais, a postura vergonhosa, desprezível e inqualificável com que esta Companhia tem vindo a tratar a Madeira”.

Asseguram os social-democratas que “tanto através do Governo Regional quanto do PSD/M e, neste caso, através dos deputados eleitos à Assembleia da República, a Região irá desenvolver todas as diligências no sentido de obter as devidas explicações sobre uma decisão que pode, inclusive, ser ainda mais grave, caso a nova taxa não seja elegível ao nível do subsídio social de mobilidade e venha a ser assumida pelos próprios passageiros”.

Por outro lado, o PSD/M afirma repudiar esta decisão, “lamentando, ainda, que a falta de rumo, de estratégia e de planeamento de uma Companhia apenas movida pelo lucro acabe por ter a conivência e a concordância do Estado Português, enquanto seu maior acionista”.

“Aliás, é de estranhar que, perante aquilo que tem sido um ataque permanente aos interesses da nossa Região, o Governo da República se mantenha em silêncio, numa atitude irresponsável que evidencia a falta de preocupação do Partido Socialista para com a defesa dos interesses do povo madeirense”, conclui o comunicado.