Câmara do Funchal “ataca” com meia centena de intervenções para “acalmia de tráfego” e “melhoria da mobilidade pedonal”

CMF intervenções A
Passeios rebaixados, mais pasasadeiras, mais abrigos, docas e muros de proteção, fazem parte da intervenção em curso por parte da Câmara do Funchal na cidade.

CMF intervenções mapa (2)“Acalmia de tráfego e melhoria da mobilidade pedonal no concelho”. Estes são os objetivos definidos pela Câmara do Funchal que justificam a meia centena de intervenções correspodentes a uma empreitada que afirma já estar a terreno. São 145 mil euros de investimento.

Uma nota da Autarquia revela que as 50 intervenções “estendem-se por quase todas as freguesias do Funchal, da Baixa às Zonas Altas, e resultam de um amplo trabalho de planeamento levado a cabo pelas Divisões Municipais de Mobilidade e Trânsito e de Obras Públicas, aproveitando o Verão, e o menor movimento causado pelas férias, para dar início a estes trabalhos que se vão prolongar por 6 meses. O investimento municipal ascende a cerca de 145 mil euros”.

A mesma informação dá conta que os vereadores Bruno Martins, que tem o pelouro da Mobilidade Urbana no Município, e Rúben Abreu, que tutela as Infraestruturas e Equipamentos, visitaram algumas das obras, “registando o bom andamento dos trabalhos. Bruno Martins explica que estas “são ações cirúrgicas um pouco por toda a cidade, que foram coligidas ao longo do primeiro semestre deste ano, de maneira a lançarmos uma empreitada única que pudesse começar nesta fase de menor tráfego automóvel, em consequência das férias de Verão.”

“Entre reparações e criação de novas áreas, serão intervencionados cerca de 1000 m2 de passeios, rebaixados mais de 40 passeios, canalizadas cerca de 20 valetas junto a paragens de autocarros, criada uma dezena de novas passadeiras, e feitos novos abrigos, docas e muros de proteção. Este é um trabalho que preparamos muitas vezes de um ano para outro, quer através de levantamentos permanentes no terreno, quer tendo em conta pedidos que chegam à Divisão de Mobilidade e Trânsito por parte da população, e sugestões por parte de escolas e outras entidades públicas e privadas.”

O autarca conclui, segundo refere a mesma nota do gabinete de comunicação da Autarquia, que “o objetivo é ter uma cidade o mais inclusiva possível. Quando rebaixamos passeios junto a passadeiras estamos imediatamente a transformar as condições de acesso para transeuntes com mobilidade reduzida, mas igualmente para quem se faça acompanhar, por exemplo, por um carrinho de bebé. Intervenções como novos abrigos de transporte público, canalização de valetas junto a paragens ou reparação de docas para entrada e saída de passageiros visam, por sua vez, a melhoria específica de condições para a utilização do transporte público no concelho, algo que o Município pretende sempre promover.”

“Quando a Autarquia pensa no Funchal, pensa sempre nesta lógica de acessibilidade e inclusão, uma cidade onde todos possam viver, independentemente da idade ou das suas circunstâncias, sem que a mobilidade seja um obstáculo. Estas pequenas intervenções, que fazemos anualmente, num esforço de melhoria e beneficiação constante, têm um impacto grande no dia-a-dia das pessoas.”