Deputado do PSD-M Carlos Rodrigues diz que é tempo da Madeira evoluir para uma corporação única de bombeiros profissionais

carlos rodrigues
“A região só tem a ganhar com a transformação desta multitude de corporações num corpo único”.

O deputado social democrata Carlos Rodrigues retomou a sua presença nas redes sociais depois de algum tempo em que “suspendeu” a página anterior, coincidentemente, ou talvez não, com uma posição que então manifestou contra a suspensão a divinis por parte da Diocese relativamente a Martins Júnior, num contexto em que a maioria aplaudia a decisão do Bispo Nuno Brás.

Agora, de “volta” ao Facebook, o parlamentar do PSD, que na lista de candidato às próximas regionais surge no 23º lugar, um lugar que deixa algumas dúvidas quanto à eleição direta, abordou a questão da ajuda da Madeira às vizinhas Canárias, a braços com graves incêndios que já levaram à retirada de pelo menos 4 mil pessoas de suas casas, como sendo uma luta de protagonismos, fazendo incidir a observação no posicionamento da Câmara do Funchal, mas levantando uma questão que não deixa de ser pertinente e motivo para debate sobre a existência de um único corpo de bombeiros da Região  e sob comando de um único Serviço de Proteção Civil, também este de âmbito regional, sabendo-se, como se sabe, que as Câmaras também dispõem dos seus serviços municipais de Proteção Civil, além das várias corporações espalhadas pelos concelhos.

Carlos Rodrigues, em primeira abordagem, começa por dizer que vai começar a “correria para mostrar quem é mais solidário”, considerando que “em primeiro lugar, tudo o que pudermos fazer para ajudar os nossos irmãos canários deve ser feito”.

Escreve, no entanto, que “esta triste situação já está a provocar a habitual competição bacoca entre os que querem aproveitar a onda para cavalgar e aumentar a sua própria notoriedade. Uns infelizes, diria”, procurando explicar este enquadramento com o facto da Madeira ainda não ter dado “o passo que mais se justifica na área da proteção civil”.

Defende o deputado do PSD-Madeira que “uma terra deste tamanho não pode ter uma miríade de corporações de bombeiros de natureza diferente. É tempo de evoluirmos para um corpo único de bombeiros profissionais aproveitando as valências já existentes, em termos de homens e mulheres, especializações e equipamentos. Mantendo, caso se justifique a existência de elementos voluntários”.

Carlos Rodrigues considera que “os benefícios desta evolução são múltiplos, mais economias de escala, melhor aproveitamento de recursos, melhor coordenação, maior capacidade de intervenção, renovação das estruturas existentes e, consequentemente, maior segurança e satisfação dos operacionais. Acabava-se também com a vertigem que ataca os politicozinhos municipais que gostam de utilizar estas áreas para as suas disputazinhas menores. A região só tem a ganhar com a transformação desta multitude de corporações num corpo único”.