Subaru ganha Rali da Madeira em 2000 mas Peugeot domina anos seguintes e só Travaglia interrompe ciclo vitorioso

Adruzilo
Adruzilo Lopes.

A década de 2000, para o Rali Vinho Madeira nunca baixou de forma na cena internacional da modalidade, refere uma nota sobre estes anos, publicada no site oficial da competição.

“No simbólico ano 2000, outrora argumento para inúmeros textos ficcionais, Piero Liatti ainda conseguiu fazer ganhar um Subaru mas nos anos seguintes a Peugeot fez razia pois venceu todas edições até 2004. Sobretudo com o 206 WRC que sempre se mostrou um carro quase perfeito nas nossas estradas”.

Em 2001, refere a informação do gabinete de comunicação da prova, “Adruzilo Lopes alcançou um objectivo há muito perseguido tanto por si como pela equipa da Peugeot Portugal e no ano seguinte Andrea Aghini obteve o sucesso naquela que foi, até agora, a sua última aparição na Madeira. A estrutura portuguesa dirigida por Carlos Barros voltou a ganhar em 2003 com Miguel Campos. Ao longo de todos estes anos os lugares do pódio foram monopolizados por este modelo que deixa imensas saudades junto dos fãs.

Com os WRC banidos de todos os campeonatos que não o mundial, Vítor Sá dispunha de um Peugeot 306 a máquina ideal para trazer os pilotos madeirenses de novo ao topo da classificação do Rali Vinho da Madeira. E foi exactamente isso que o piloto conseguiu em 2004, 29 anos depois doutro concorrente insular o ter logrado. Este foi um marco incontornável na carreira de alguém que dominou uma década de automobilismo local mas também a expressão do vigor que a modalidade detinha no arquipélago.

Em 2005 Renato Travaglia, piloto que detém também muitos fãs na ilha, foi o único a conseguir vencer com um S1600 (Renault Clio) num ano em que deveria ter ganho Giandomenico Basso. O italiano redimiu-se nos dois anos seguintes e ainda em 2009 sempre com o Fiat Punto S2000 e por pouco não o conseguiu de novo em 2008, ano em que quem abriu o champanhe foi Nicolas Vouilloz, posteriormente campeão do IRC”.