CDS contesta Polícia Municipal e pede estudo da KPMG sobre a mesma

O vereador do CDS-PP na Câmara Municipal do Funchal solicitou esta quinta-feira à vereação Confiança o estudo da KPMG que suporta a criação da Polícia Municipal do Funchal. Luís Miguel Rosa, que se encontra a substituir Rui Barreto, solicitou o relatório elaborado por aquela empresa de consultadoria na reunião desta quinta-feira e espera que o documento lhe seja entregue já na próxima sessão, refere uma nota de imprensa.

A posição de base do CDS-PP é contra a criação da Polícia Municipal, por razões que o líder Rui Barreto já mencionou publicamente e que o vereador do CDS voltou a reafirmar na reunião desta quinta-feira.

No entender do partido, o Funchal não apresenta índices de criminalidade nem de violência que justifiquem a Polícia Municipal. Se a ideia é dispor de uma força com poderes de fiscalização municipal, como defende o presidente da autarquia Paulo Cafôfo, então a solução da vereação Confiança faz ainda menos sentido porque gera um problema de sobreposição de poderes por já existir na estrutura de funcionamento do município o Departamento de Fiscalização. Se existem lacunas neste serviço, como argumenta o líder da Confiança, devem ser resolvidas com os meios técnicos, humanos e financeiros de que precisa e não criar um novo serviço que aumenta as despesas e consome recursos financeiros que são essenciais para outras áreas. Só para o arranque e implantação da Polícia Municipal o município estima uma verba na ordem de um milhão de euros.