Madeirense Paquete de Oliveira dá nome a prémio atribuído pelo Porto Bay e pelo ISCTE

Prémio Paquete de Oliveira
O protocolo foi assinado por Bernardo Trindade e Maria de Lurdes Rodrigues.

A partir deste ano letivo, a melhor tese de mestrado em Ciências de Comunicação será distinguida com o Prémio Paquete de Oliveira, uma iniciativa conjunta de PortoBay Hotels & Resorts e do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

O protocolo de cooperação foi assinado por Maria de Lurdes Rodrigues, Reitora do ISCTE e que já foi ministra, e Bernardo Trindade, Administrador do grupo PortoBay, esta semana, em Lisboa, nas instalações da universidade.

Segundo uma nota sobre a iniciativa, “o objetivo destas duas instituições é prestar homenagem a José Manuel Paquete de Oliveira, que “enquanto professor e jornalista muito se distinguiu na defesa das Ciências da Comunicação, da transparência e neutralidade nas informações e no respeito aos cidadãos e à democracia” e que, tal como o grupo hoteleiro é originário da Madeira”.

O prémio José Manuel Paquete de Oliveira será atribuído anualmente ao melhor trabalho na área das Ciências da Comunicação, elaborado por alunos de instituições de Ensino Superior nacionais no âmbito de cursos de Mestrado e terá o valor de 5 mil euros.

Paquete de Oliveira nasceu no Funchal, a 20 de outubro de 1936 e frequentou o Seminário do Funchal, ali foi professor e dirigiu a área educativa. Foiordenado sacerdote em 1960. Já era padre aos 23 anos, quando assumiu o cargo de chefe de Redação do Jornal da Madeira. Manteve-se nesse cargo até 1966.

Em 1973 licenciou-se em Ciências Sociais e na Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Regressa a Portugal em janeiro de 74, já desvinculado do sacerdócio, mas dá-se pouco depois o 24 de abril. Dirige o Diário de Notícias do Funchal d faz parte da Junta de Planeamento da Madeira.

Regressa a Lisboa em 76 e dedica-se à docência. Escreve para jornais como Expresso, Jornal de Notícias, Diário de Lisboa, Diário de Notícias e Diário Popular, segundo refere dados da Wikipédia. Tornou-se, em 1977, professor de Sociologia da Comunicação do ISCTE. Lecionou ainda no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, no Instituto Superior de Economia e no Centro de Estudos Judiciários. Em 1989 doutorou-se em Sociologia da Comunicação e da Cultura, através do ISCTE, pela Universidade Técnica de Lisboa.

Em 2006, foi o primeiro provedor do telespetador da RTP e mais tarde provedor do leitor no Público. Era casado  e pai de dois filhos. Morreu em Lisboa, em 2016.