Açucenas e o seu papel no culto mariano é tema de exposição ontem inaugurada no Museu Etnográfico

No Museu Etnográfico da Madeira, na Ribeira Brava, foi ontem inaugurada uma exposição intitulada “Do Bom Despacho ao Livramento – o cortejo das açucenas”. A mostra pretende ilustrar a prevalência destas flores no culto mariano, com enorme expressão nas igrejas, capelas e ermidas do arquipélago da Madeira. A mãe de Jesus é padroeira em meia centena de paróquias e são cerca de 195 os padrões de invocação de Maria nas festividades que ocorrem ao longo do ano, conforme já referimos ontem, citando uma nota da Secretaria Regional do Turismo e Cultura.

Ontem, no Museu Etnográfico, foi a assessora adjunta para a Cultura, Natércia Xavier, que representou a secretária regional do Turism e Cultura, Paula Cabaço, na inauguração. Na oportunidade, saudou a “excelente prática colaborativa” entre a instituição museológica, a Casa-Museu Frederico de Freitas, o Museu de Arte Sacra e outras instituições da comunidade, estabelecendo uma ligação à Diocese do Funchal, às paróquias e ao Arciprestado, “valorizando uma dimensão espiritual e religiosa” e convocando outras pessoas.

 

“Mesmo sem partilhar dessa fé, podem assim conhecê-la e respeitá-la. Acho que os caminhos da fé também passam por aí, por chegarmos aos outros com outras linguagens, seja da botânica, seja da etnografia”, referiu.

Natércia Xavier confessou-se “verdadeiramente maravilhada com este trabalho (…) que nos traz evidências documentais a partir das quais podemos aprender (…), a partir da criação artística de pessoas que já não estão cá, mas que tiveram um olhar diferente sobre aquilo que é nosso”.