Presença muçulmana bastante visível na marginal de Las Canteras

*Com Rui Marote

Quem desfruta de um passeio nocturno na marginal da Praia Las Canteras, em Gran Canaria, apercebe-se de uma curiosa “invasão”de mulheres de origem muçulmana.

Com trajes coloridos, este é um grupo animado onde o preto é raríssimo. Com o rosto bem visível, e a pele cuidada, oriundas de Marrocos, Sahara, Guiné Conacri, Senegal e Gâmbia, desfilam ao longo deste calçadão, de modo bem descontraindo, desfazendo preconceitos.

Exibem telemóveis topo de gama, e apresentam-se calmamente umas isoladas, outras em grupo, circulando na maioria das vezes acompanhadas dos filhos. Nota-se a ausência dos maridos, que enviam as suas esposas para efectuar a compra de mercadoria. Frequentam esplanadas, restaurantes ou lojas de fast food. Há quem prefira sentar-se à beira-mar desfrutando do calmo ruído das ondas.

Las Palmas não tem mesquitas nem medinas. Durante o dia, somos surpreendidos pela ausência destes turistas que, comercialmente se mostram interessados nas compras por grosso. São milhares de euros que deixam no arquipélago vizinho, satisfazendo os grossistas canários. O número de cidadãos visitantes oriundos dos supracitados países aumentou imenso nos últimos tempos. São bem-vindos, dinamizando o comércio com transportes assegurados por via aérea e ferry para os países vizinhos. A Madeira está imune a estas benesses ao comércio, uma vez que não tem ligações com esses países…