PSD Porto Santo acusa governo central de “indisfarçável incompetência” por causa da Binter

A comissão política do PSD Porto Santo veio hoje considerar “indisfarçável a incompetência por parte do Governo da República na condução de todo o processo da Binter que prejudicou irreversivelmente a imagem do Porto Santo e bloqueou a mobilidade de muitos Porto-santenses”.

Para os sociais-democratas, “é inconcebível que o Gabinete do Secretário de Estado das Infraestruturas tenha levado 13 dias a responder, vindo agora dizer que os cancelamentos verificados nada tiveram a ver com o fim do primeiro contrato de ajuste directo com a companhia Binter”. O PSD afirma que tinha razão em dizer que houve incompetência e desleixo em relação à condução de todo este processo, “tendo o Governo da República ido de férias e ignorado o fim da data do contrato de ajuste directo, tentando agora “sacudir a água do capote” ao descartar responsabilidades, quanto foi óbvio para todos que o Governo da República foi o único responsável por esta situação”.

Trata-se, afirma uma nota de imprensa, de um desrespeito para com os porto-santenses e a RAM, tendo sido necessária uma reunião entre o Governo da República e a Binter, seis dias após o início dos sucessivos cancelamentos, para que o Governo da República garantisse a operacionalidade aparentemente normalizada da linha aérea inter-ilhas.

Esta reunião e resolução “surgiu graças à pressão constante exercida pelo PSD, através do Governo Regional, do Grupo Parlamentar, dos Deputados eleitos à Assembleia da República e da Câmara Municipal”, garantem.

O PSD lembra que o actual contrato de ajuste directo termina no início de Outubro, pelo que solicita ao Governo da República, em especial quem tem responsabilidades em matéria de transportes, “que não vá de férias nessa altura, pois o Porto Santo não pode esperar”.