“Somos Todos Monte” diz que Jorge Carvalho não tem “distanciamento” para conduzir a fusão e extinção de escolas

Monte
Lista “Somos Todos Monte” contra fusão e extinção de escolas.

A Lista Independente Somos Todos Monte veio hoje a público, em comunicado, criticar a fusão e extinção de escolas por parte do Governo Regional, havendo dúvidas sobre as reais intenções relativamente aos estabelecimentos de ensino daquela freguesia. Não poupa Jorge Carvalho, o secretário da Educação, e promete recorrer a Albuquerque, o presidente do Governo.

Diz aquele movimento que “tendo em conta a lista de escolas agora proposta, infelizmente quer parecer crer que tudo isto é uma questão da ordem política, pois parecem silenciamentos políticos de escolas que, por diferentes motivos, estiveram desalinhadas com as políticas da Secretaria, como por exemplo: o caso conhecido da Escola do Curral das Freiras e também a Escola do Tanque quando esteve contra cedência de salas da escola para entidades externas”.

Se isto for realmente o caso, diz a lista, “então estamos perante uma situação  completamente inaceitável num estado de direito democrático e assim sendo não restará outra opção que não a exoneração de funções do Sr. Secretário Regional da Educação por parte do Sr. Presidente do Governo Regional”.

No comunicado, o “Somos Todos Monte” diz que irá solicitar “uma audiência ao Sr. Presidente do Governo Regional para debater este tema, visto que consideramos que o Sr. Secretário Regional não demonstra a equidade, distanciamento e ponderação necessária para conduzir este caso”.

O movimento afirma que “a acontecer o encerramento do edifício escolar e transferência dos alunos para outra instituição, estamos perante uma situação completamente inaceitável para este Grupo de Cidadãos Eleitores visto que isso criará  problemas acrescidos às famílias e estudantes uma vez que as áreas de quotas mais altas que são actualmente servidas pela Escola do Tanque não têm transporte público directo entre essas áreas e a Escola da Piedade”.

Mas mesmo que o encerramento do edifício escolar não se verifique, como foi anunciado para as Escola do Curral das Freiras e Fajã da Ovelha, “a redução da autonomia é completamente inaceitável porque para além de reduzir a qualidade do ensino, visto reduzir a capacidade de adequação do ensino às particularidades muito concretas das áreas de actuação das escolas, não garante nenhuma poupança ou melhoria de eficiência significativa”.