Madeirenses que perderam a vida na Grande Guerra hoje recordados e homenageados

Na manhã de hoje, assinalando as comemorações do centenário da Batalha de La Lys, o comandante operacional e da Zona Militar da Madeira, major-general Carlos Perestrelo, colocou no monumento aos Mortos da Grande Guerra situado na Avenida do Mar e das Comunidades Madeirenses, em frente ao Palácio de São Lourenço, uma coroa de flores em homenagem aos militares portugueses mortos na 1ª Guerra Mundial.

Na batalha de “La Lys” a participação de madeirenses registou 1 morto e 6 prisioneiros, que foram libertados cerca de sete meses depois, a 11 de Novembro de 1918, data do armistício que ditou o fim do primeiro grande conflito mundial, refere um comunicado do Exército.

O único herói madeirense morto nesta batalha, o alferes de infantaria João Paulo da Veiga Pestana, integrou o Corpo Expedicionário Português (CEP), e morreu em combate no dia 9 de Abril de 1918, em virtude dos ferimentos sofridos durante a Batalha de La Lys, na região de Laventie, na Flandres (França).

Este foi o único madeirense sacrificado em “La Lys”, e está sepultado no Cemitério Militar Português de Richebourg L’Avoué (França) / (Talhão A, Fila 4, Coval 18) que hoje, dia 9 de Abril, recebeu, a visita do presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo seu homólogo francês Emmanuel Macron.

Segundo os registos do Arquivo Histórico Militar, integraram o CEP e estiveram na Flandres (França) cerca de 150 militares naturais da Madeira e com uma elevada percentagem de oficiais (76) que se evidenciaram nas especialidades de Medicina e Artilharia.

O alferes Veiga Pestana

Os militares madeirenses que foram feitos prisioneiros nesta data, foram:

  • Major Infª João Nepomuceno de Freitas (Calheta)
  • Alferes Infª João da Silva Júnior (Funchal)
  • Alferes Infª Américo Aldónio de Menezes (Funchal)
  • Alferes Campª Carlos Olavo Correia de Azevedo (Funchal)
  • Soldado Francisco Vieira Costa (Ponta do Sol)
  • Soldado João de Olimacote (Funchal)

Hoje, pelas 18h00, na Sé do Funchal, realizar-se-á uma missa em homenagem aos portugueses que perderam a vida na Grande Guerra.