Liliana Rodrigues na Suécia em defesa dos apoios às regiões com défice demográfico

Depois de ter estado nos Açores no final do mês de Maio, a eurodeputada Liliana Rodrigues volta a integrar uma delegação da Comissão de Desenvolvimento Regional do Parlamento Europeu, desta vez à Suécia, município de Umea, entre 7 e 9 de Junho.

À semelhança do ocorrido em missões anteriores, os objectivos prendem-se com a verificação da aplicação dos fundos europeus e ainda com o averiguar do impacto da Política de Coesão nas regiões escassamente povoadas do norte deste país, nomeadamente nas áreas da investigação e inovação, especialização inteligente, tecnologias da informação e da comunicação, transportes e energias renováveis.

Para além do investimento realizado através do Fundo de Desenvolvimento Regional, 936 milhões de euros dos quase 1,9 mil milhões previstos para os Programas Operacionais do período 2014-2020 na Suécia, a deputada madeirense realça “o papel desempenhado pelo Fundo Social Europeu no impulsionar das políticas de criação de emprego, especialmente ao nível das mulheres migrantes, dos jovens, das pessoas com baixas qualificações ou que apresentam necessidades especiais”, principalmente através da “criação de planos de acção regionais no sentido de assegurar que as soluções encontradas vão de encontro às reais necessidades das populações, por exemplo através de projectos dirigidos aos desempregados de longa duração ou que permitam fazer face às alterações nas indústrias localizadas nestas regiões que enfrentam severos desafios demográficos”.

Também na área da educação se faz sentir a importância do investimento europeu, seja por meio da “melhoria dos sistemas de formação, garantindo que as pessoas possuem as competências adequadas para se orientarem na sua vida profissional, seja no apoio à formação em contexto de trabalho, na oferta de estágios ou no proporcionar de oportunidades para a aprendizagem ao longo da vida”.

A delegação do Parlamento Europeu à Suécia inclui reuniões de trabalho com diversos empresários, investigadores e autoridades políticas destas regiões que, devido às suas especificidades demográficas, apresentam custos adicionais em infraestruturas e serviços públicos por habitante e onde, no entender da deputada socialista, “a Política de Coesão exerce um importante papel, tanto na compensação destas contrariedades, como no transformar destes obstáculos em potenciais instrumentos para investimentos futuros”.