CDU denuncia atentados aos direitos dos trabalhadores

cdu

A candidatura da CDU à Assembleia da República promoveu hoje, quinta-feira, dia 24 de Setembro de 2015, um amplo conjunto de acções junto dos trabalhadores, privilegiando o contacto direito nas empresas e locais de trabalho.

“Os trabalhadores da Madeira e do Porto Santo não são alheios à intensa luta que a CDU desenvolve em prol dos direitos de quem trabalha, luta essa que ganhou novos contornos com a imposição, por parte da Troika externa (FMI, BCE e UE), do famigerado Memorando de Entendimento, e com todas as gravosas medidas daí resultantes e que tão diligentemente foram postas em prática pela troika nacional-colaboracionista composta por PS, PSD e CDS”, acusa a CDU em comunicado de imprensa.
“Essas medidas tornaram-se particularmente violentas para os trabalhadores da Região Autónoma da Madeira, dado que, a par do Memorando de Entendimento, foi igualmente imposto à Região o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro, uma verdadeira sentença de morte à Autonomia secretamente congeminada entre o Governo Central PSD/CDS e do Governo Regional, e que aumentou ainda mais a pesada carga imposta aos trabalhadores e às populações da Madeira e do Porto Santo”, prossegue a CDU.
“Se antes a situação de quem trabalhava já não era das melhores, com a imposição da austeridade assistiu-se ao roubo nos salários, ao aumento da carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho, à degradação das condições de trabalho, ao aumento da precariedade laboral, à subida do desemprego, à emigração forçada e à liquidação de importantes direitos laborais”.
A crise e a austeridade surgiram como “torpes justificações para a adopção de medidas criminosas por parte dos governos Central e Regional e do Patronato, verdadeiras acções de terrorismo social, tendo como vítimas os trabalhadores e atingindo as suas famílias”.
A CDU sublinha que sempre denunciou as “gravosas ofensivas potenciadas pelas políticas de direita que beneficiam os grandes grupos económicos e o grande capital, e prejudicam as populações e os trabalhadores, da mesma forma que sempre exigiu a adopção de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, que valorize os direitos de quem trabalha e contribua para a dignificação do trabalho”.
“Há que pôr um fim ao roubo nos salários e nos direitos. Urge garantir que os direitos serão recuperados e que quem trabalha passe a auferir salários dignos.
No próximo dia 04 de Outubro, os trabalhadores terão a oportunidade de mudar o rumo do País e, por consequência, da Região. A melhor opção é votar CDU, reforçando-a no número de votos e deputados na Assembleia da República, pois cada voto na CDU é um voto rentabilizado, e cada deputado da CDU é a garantia de que a voz dos trabalhadores será escutada”, exorta o partido.