CDU acredita que muitos dos eleitores ainda não tomaram a sua decisão

edgar_silva003
Edgar Silva acredita que a CDU vai beliscar a direita.

A máquina da CDU está toda no terreno. Com o habitual método de trabalho comunista, os contactos com o eleitorado não páram, noite e dia. Abalar o clima de favoritismo que domina a direita é um dos objetivos do partido da Rua da Carreira. Mas não só.

A CDU está animada com as previsões das sondagens. Segundo Edgar Silva “as sondagens confirmam uma perspectiva de crescimento da CDU, o que registamos como um dado positivo. Outro dado especialmente relevante é o facto de que 20% daqueles que vão votar ou ainda não decidiram qual o seu sentido de voto, ou não o querem revelar, o que na prática significa que muito ainda está por decidir relativamente ao resultado das eleições de 29 de Março”.
Quanto aos últimos dias da campanha, a Coligação continuará a dirigir as principais críticas ao PSD. “Centraremos o nosso discurso na necessidade de reforço da CDU como condição para impedir a constituição de uma maioria absoluta porque o voto na CDU será, de facto, o verdadeiro voto útil para impedir e travar uma eventual maioria absoluta, ao contrário de outras candidaturas que só viabilizariam quanto dizem querer negar, ou seja, para impedir a maioria absoluta do PSD, não faz sentido que se confie o voto àqueles que o pedem para, ao fim e ao cabo, oferecer em bandeja de prata o que dizem querer negar. Assim, não estão em condições de retirar a maioria absoluta ao PSD aquelas candidaturas que, para além da completa sintonia com a política de direita, dizendo querer o combate à maioria absoluta do PSD, no caso de não haver maioria absoluta se colocariam imediatamente nos braços do PSD para a constituição de tal cenário, viabilizando assim tudo quanto dizem querer negar”.
Habituados ao trabalho e a conhecer as especificidades do eleitorado madeirense, a Coligação Democrática Unitária considera que “um bom resultado para a CDU será derrotar os partidos da política de direita e garantir mais votos e mais eleitos para a CDU, reforçando assim a sua posição no Parlamento regional e dando mais força à voz das populações e dos trabalhadores da Região”.