GR promove bovinos madeirenses sob a designação “Raça da Terra”

Conforme já tinha avançado o presidente do Governo Regional, era intenção das entidades governamentais madeirenses apostar em bovinos madeirenses intitulados “raça da terra”, promovendo-os nos circuitos comerciais. Esse papel coube à Secretaria Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, que fez-se hoje representar pela chefe da equipa do “gabinete de promoção da Raça da Terra”, Sara Nóbrega, e pelo chefe de divisão de melhoramento pecuário, Célio Quintal, numa conferência na Ilha Terceira, nos Açores, sob o tema “Raças Autóctones Açoreanas e sua Sustentabilidade”.

Nesta iniciativa, promovida pelo Centro de Biotecnologia dos Açores, Sara Nóbrega discursou sobre o reconhecimento de uma raça bovina autóctone da Madeira, designada Raça da Terra, um projecto que visa garantir a identificação de uma raça bovina madeirense no contexto nacional.

O reconhecimento da Raça da Terra “é considerado como sendo de primordial importância para acrescentar valor aos produtos regionais, gerando riqueza para os seus produtores, fixando as populações nos meios rurais, aumentar a resiliência alimentar e mantendo a paisagem humanizada da Madeira, herdada dos estoicos antepassados”, assegura o GR.

Para o efeito, a Secretaria Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, através da Direcção de Serviços de Desenvolvimento Pecuário, já garantiu por parte da Direção Geral de Alimentação e Veterinária o Registo Zootécnico.  As associações de produtores, que deram luz verde para que se avance para o integral reconhecimento da raça madeirense, aguardam agora a inscrição dos animais no Livro Genealógico, para iniciarem a comercialização sob o nome de ‘Raça da Terra’.