Central de Baterias da Vitória custou 10 milhões de euros

O presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, visita hoje, pelas 11 horas, a nova Central de Baterias da Empresa de Eletricidade da Madeira, localizada na Central da Vitória.

A Central de Baterias da Vitória, na ilha da Madeira, está concluída. O empreendimento, da responsabilidade da EEM, representa um investimento superior a 10 milhões de euros e vai permitir reduzir a dependência externa no abastecimento de energia elétrica à ilha.

A cerimónia que marca o início do funcionamento desta nova infraestrutura, localizada dentro do Complexo da Central Térmica da Vitória (CTV) é hoje.

Trata-se de um projeto inovador da EEM-Empresa de Eletricidade da Madeira, com engenharia e tecnologia de ponta, que visa contribuir para a descarbonização da produção de eletricidade.

Esta nova instalação tem uma potência mínima e capacidade de energia instalada de 15 MW / 16,4 MWh, concretizada no âmbito da empreitada “Instalação e Integração de Sistema de Armazenamento de Energia com Baterias no Sistema Elétrico da ilha da Madeira”, tendo envolvido um investimento global na ordem dos 10,6 milhões de Euros, cofinanciado pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO-SEUR/EU), Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo de Coesão, num montante de cerca de 7,8 milhões de Euros.

Esta obra iniciou-se em agosto de 2021.

Baseado em tecnologia de iões de lítio e eletrónica de potência avançada, este projeto tem como objetivos:

– a substituição integral de, pelo menos, um gerador térmico (o maior), assegurando os critérios mínimos de segurança de exploração da rede

– o fornecimento de serviços de sistema, que até à data vêm sendo prestados pelos geradores térmicos, destacando-se a regulação de frequência, a regulação de tensão e a substituição de reserva girante

– uma resposta imediata (na ordem de centésimos de segundo) em caso de perda repentina de fontes de produção ou do consumo

– o incremento da integração de energias renováveis (hídrica, fotovoltaica e eólica) na ilha da Madeira (via remoção de potência térmica e via armazenamento de energia renovável excedentária)

– a melhoria da eficiência do parque termoelétrico, através da suavização da intermitência das fontes de energia renováveis e do funcionamento em gamas de potência com maior rendimento

– a redução dos custos de exploração do sistema termoelétrico, através da redução substancial do consumo de combustíveis de origem fóssil e da redução dos custos de manutenção dos geradores térmicos; e a redução do tempo de energização do sistema elétrico da ilha da Madeira (blackstart pela bateria), após incidentes de elevado impacte.

Com a concretização destes objetivos, será assim possível reduzir a dependência externa no abastecimento de energia elétrica à ilha, reduzir as emissões de gases prejudiciais para a atmosfera e melhorar a resiliência e a fiabilidade do sistema elétrico da ilha da Madeira.