Henrique Oliveira, reputado matemático do IST, é uma das figuras de relevo do Congresso do SPM

 

O Professor Doutor Henrique Oliveira é um credenciado investigador do IST de Lisboa. Foto DR.

O Professor Doutor Henrique Oliveira, do Instituto Superior Técnico, é uma das figuras de renome que o SPM traz à Madeira para dinamizar os trabalhos do XIII Congresso, na conferência de abertura. O especialista tornou-se numa figura familiar dos portugueses, nomeadamente durante os picos da pandemia covid 19, graças aos seus cálculos, projeções e opiniões sobre a evolução da pandemia. Os conhecimentos do professor serão agora partilhados na Madeira ao nível do estudo inovador realizado sobre o envelhecimento da classe docente, solicitado pela FENPROF, antes da eclosão da pandemia, durante os trabalhos do Congresso, nos dias 4 e 5 de novembro, conforme anunciou ao FN o presidente, Francisco Oliveira.

 

FN: Qual a figura ou orador de relevo do Congresso do SPM?

F.O.: Diria que este Congresso está repleto de oradores de relevo, autênticos especialistas, em perspetivas diferentes, que nos ajudarão a aprofundar a compreensão do tema central deste Congresso, que já referi em cima. Infelizmente não há muitos investigadores a estudar este problema crucial para o futuro da educação que queremos. No entanto, temos a vantagem de a nossa Federação, a FENPROF, ter sido a promotora do maior estudo a nível nacional sobre o tema. Aconteceu pouco antes da pandemia, com uma equipa de investigadores de diversas universidades e países. Entre eles estava o Professor Doutor Henrique Oliveira, do Técnico de Lisboa, que será o orador da conferência de abertura. Trata-se de um matemático conhecido a nível nacional, sobretudo pelas previsões da evolução da pandemia através dos valores de transmissibilidade do vírus. No estudo da FENPROF, foi ele quem analisou as respostas de quase 20 000 professores e quem tirou as principais conclusões, a partir desses dados. É por isso que temos muitas expetativas quanto ao que nos apresentará para nos ajudar a perceber a dimensão deste problema.

No entanto, este Congresso foi pensado como um todo, logo os dados e conclusões da matemática só serão compreendidos na sua verdadeira dimensão com quem está embrenhado na formação de professores, as Professoras Doutoras Amélia Lopes da Universidade do Porto e a Elsa Fernandes da Universidade da Madeira; com propostas concretas para ajudar os professores a lidar com a tensão do dia a dia, o que estará a cargo da Professora Doutora Luísa Santos, do Instituto de Mediação Familiar; com o que prevê a legislação, matéria a cargo do Dr. Rui Assis, reputado advogado do Porto; e com a prática clínica na ajuda profissional aos professores, o que conheceremos na apresentação da Doutora Tânia Pinto, psicanalista com consultoria em Lisboa e formação em vários pontos, nomeadamente em Paris.