PSD-M quer que UMa facilite a vida aos regressados da Venezuela no reconhecimento de habilitações

Os deputados do PSD-Madeira reuniram-se com o com o Reitor da UMa, Sílvio Fernandes, para apresentar algumas das dificuldades que a comunidade madeirense regressada da Venezuela tem sentido relativamente ao processo de reconhecimento de habilitações e equivalência de cursos superiores.

Foi  proposto que a UMa “assuma um papel de parceira e mediadora entre o cidadão e as diferentes Universidades com competência para analisar o processo, tornando mais célere e ágil um trabalho que nem sempre é fácil para quem regressa à Região”.

“Uma vez que a UMa constituiu recentemente o gabinete do estudante insular, ficou estabelecido que estes processos depois de darem entrada nos serviços académicos serão encaminhados para este gabinete, que estará mais vocacionado e focado em tratar estes assuntos”, afirmou o deputado Carlos Fernandes, realçando que, “paralelamente, e para os cursos em que a UMa não esteja habilitada para desenvolver o respectivo processo de reconhecimento e validação, o Reitor manifestou abertura para igualmente poder rececionar estes processos e encaminhá-los para as Universidades que o possam reconhecer”.

A UMa procurará publicitar no seu site os cursos para os quais tem competência para proceder ao reconhecimento automático, explicitando aqueles em que já o tenha feito, com o objectivo de facilitar a informação a todos aqueles que queiram iniciar o seu processo de reconhecimento da sua formação académica.