PSD-M diz que o ministro da Educação “mentiu aos professores”

O Grupo Parlamentar do PSD-M considera que as declarações proferidas pelo ministro da educação, João Costa, são reveladoras de que “o PS não quer, de forma nenhuma, repor a totalidade do tempo de serviço dos professores, menosprezando o esforço, o trabalho e a dedicação destes profissionais, situação contrária à que sucedeu nas regiões autónomas, onde este tempo de serviço foi integralmente reconhecido”.

Numa conferência de imprensa, realizada na Assembleia Legislativa da Madeira, visando “repor a verdade” relativamente a esta matéria, a deputada Sónia Silva disse que o ministro da Educação “mentiu quando diz que é o Estado que paga as pensões dos professores, como que por magia e esmola”.

“Esclareça-se que os professores da Madeira descontam, como qualquer outro docente português, de qualquer outra parte do nosso território, para a Caixa Geral de Aposentações”. Acrescentou que é esta a entidade que paga as pensões dos professores de acordo com os descontos feitos pelos mesmos.

Esta parlamentar lamentou ainda o “desplante” deste ministro, quando, ao se referir às regiões, usa outro país como exemplo, o que, conforme salientou, “revela o carácter e a forma como o Estado olha para as suas regiões autónomas, com desdém e falta de respeito”.

Para o PSD, estamos perante “uma situação inadmissível”, tendo Sónia Silva deixado bem claro que os social-democratas estarão “sempre ao lado dos professores, ao contrário do PS”, e irão “reagir sempre perante quaisquer declarações com desculpas vãs e argumentos falsos de qualquer membro do Governo da República”.

A deputada concluiu que “as declarações de João Costa foram de uma desonestidade que deve envergonhar a classe política, a classe docente e o país, no seu todo, porque a Madeira e os Açores também são Portugal”.