CDU diz que “escangalhar” património é uma especialidade deste governo

A CDU realizou hoje uma iniciativa política sobre aquilo que designa como os “escangalhanços do regime”, através de uma intervenção no concelho do Funchal em que foram apontadas diversas situações concretas nas quais é possível perceber como o Governo Regional da Madeira desperdiça o património e meios públicos que deveriam ter um uso ao serviço do desenvolvimento da RAM.

Na freguesia de Santo António, Edgar Silva disse que “estes terrenos, de que a Região é proprietária, completamente abandonados, como acontece na Chamorra e nas Romeiras, são alguns dos exemplos negativos do desleixo e da negligência com que este Governo Regional destrata o que são bens públicos”.

De acordo com Edgar Silva, “aqui, e em tantas outras situações, os governantes não sabem zelar pelo bom uso do património público. Estes são “escangalhanços do regime”, são parte do mapeamento regional de imensas situações de esbanjamento de recursos, de abandono de bens públicos, de má gestão patrimonial”.

Em conclusão, disse ainda Edgar Silva, “os “escangalhanços do regime” acabam por ser a soma de muitíssimas incompetências do Governo Regional e de displicência face ao interesse regional. Quando compete ao Governo Regional zelar pelo superior interesse regional, pelo contrário, escangalhar património é a grande especialidade deste Governo”.

Para a CDU, “importa exigir da parte dos governantes uma outra responsabilização política e outra cobrança cidadã em face de tanta leviandade na gestão do património e dos meios que são públicos nesta Região”.