Meio século da I Volta à Ilha em Bicicleta com vitória de Danilo Cabral

O vencedor, então com 15 anos
João Augusto/Rui Marote
Ao final da tarde de hoje, assinala-se meio século de realização da I Volta à Ilha da Madeira em Bicicleta, concluída na Avenida do Infante com o triunfo de Danilo Cabral, então com 15 anos de idade, ao serviço do Clube Futebol União. Uma vitória conseguida com uma vantagem de 1´55″ sobre o segundo classificado, Maurício Melim, do Ateneu Comercial do Funchal, enquanto José Luís de Sousa, da mesma colectividade fechava o pódio, ele que fora «camisola amarela» no final do primeiro dia da competição
A primeira edição da Volta teve organização dos Escuteiros da Paróquia de Fátima, sendo o culminar da realização de várias provas ao longo do ano, marcando o reinício da modalidade, depois de uma paragem longa desde meados da década de cinquenta na Região.
A Volta foi disputada entre 30 de Agosto e 1 de Setembro de 1972, com um total de 207 Km, numa corrida através da estrada ER101, com de seis etapas, partida no Campo da Barca (Funchal) e chegada na Avenida do Infante (Funchal). A estrada  ER101 apresentava grandes dificuldades no pavimento, co empedrado de má qualidade rareando o asfalto, daí as 9h27`20″ para percorrer o traçado da competição pelo vencedor.
A Volta decorreu ao longo de três dias com duas etapa por dia, sendo no primeiro Funchal/Machico (25 km) e Machico/Santana (25 km), segundo dia Santana/Porto Moniz (53 km)  e Porto Moniz/Prazeres (35 km). No derradeiro dia cumpriram-se Prazeres/Lombada da Ponta do Sol (31 km) e Lombada da Ponta do Sol/Funchal (38 km). Os horários de partida das etapas foram respectivamente às 8h00 e às 17h30.
Danilo Cabral nos dias de hoje
Participaram 27 ciclistas, C. F. União (15),  Ateneu Comercial do Funchal (11) e um individual. Ao longo da competição verificaram-se 5 desistências,
Virgílio Sousa foi o director da corrida, com os serviços médicos assegurados pelo Dr. António Dantas, enfermeiro Delberto Galvão e Bombeiros Voluntários Madeirenses. Uma organização com a envolvência de uma centena de elementos, com uma previsão de custos calculados em 100 contos, a diária da «camisola amarela» era de duzentos escudos, corresponde a um Euro no presente.
Por equipas, venceu o C.F. União com o tempo de 27h52`39″, ficou em segundo o Ateneu com mais 37`35″, e o prémio de Montanha foi ganho por José Rodrigues, seguido de Maurício Melim e Danilo Cabral.
As equipas tinham como responsáveis e grandes dinamizadores: Elmano Gomes (União) e José Estevão Silva (Ateneu). Este evento registou grande impacto social, por percorrer toda a Ilha, no sentido leste-oeste, numa época em que o desporto estava balizado entre Ribeira Brava e Machico, sendo reduzido o número de modalidades em ação.
Na época de Verão, as honras de competição pertenciam à Natação, na piscina de 25 metros do Lido.
A Volta em Bicicleta foi a prova com mais dias de competição consecutivos realizada na RAM. Outro evento desenvolvido por toda a Ilha desde 1959, tratava-se da Volta à Madeira em Automóvel.
Com uma realidade bem diferente dos dias de hoje, a caravana enfrentou as mais diversas situações ao longo dos três dias de competição, não apenas o estado da estrada, passando pela alimentação, alojamento, viaturas adequadas para apoio aos corredores em competição, comunicações. Uma verdadeira «batalha» de improvisação em cada momento, mas ultrapassada com pleno êxito face ao empenho dos seus organizadores e competidores, merecendo o carinho da população que correspondeu no final da Volta numa presença em massa na Avenida do Infante, aplaudindo todos os que completaram a Volta, transmitindo força para continuar nos anos seguintes.
Uma década depois da I Volta, esta apresentava um figurino bem diferente, 8 dias de competição consecutivos, num total de 415 Km, onde competiram Marco Chagas e Venceslau Fernandes, corredores que venceram a Volta a Portugal, prestigiando com a sua presença a prova madeirense.
Passado meio século, esta é uma justa homenagem a todos os que se envolveram ao longo dos anos no evento.