Victor Caires: oito décadas e meia a viver e sentir o mar

João Augusto/Rui Marote
Parabéns, neste 29 de Agosto, a Victor Moreira de Caires. São 85 anos de idade a viver e sentir o mar.
Uma verdadeira dinastia Caires na Vela madeirense, José Jacinto de Caires – conhecido por “Cairinhos” – Victor Moreira de Caires, Filipe Nunes de Caires, João Caires e André Caires, pai, filho, neto e bisnetos.
José Jacinto de Caires integrou o grupo de fundadores do Clube Naval do Funchal em 1952, proprietário do iate “Maria Ângela” obteve o registo  número 5 do C.N.F. Foi importante promotor das atividades náuticas com a rubrica “Barcos Varados/Gaivotas em Terra”.
O aniversariante de hoje nasceu em 1937. Cedo começou a velejar com o seu pai, venceu importantes regatas a Câmara de Lobos e ao Caniçal em 1951 e 1953.
Victor Caires integrou o primeiro trio de internacionais da Vela regional, no Campeonato da Europa realizado em Cascais no ano de 1958, sendo o melhor classificado dos três madeirenses presentes.
No apego ao mar, o filho Filipe foi Campeão de Portugal na Classe de Cruzeiros da ANC, sendo também instrutor desportivo na Vela ligeira. Os netos de Victor Caires, João e André seguem as pisadas dos antepassados, com participações nacionais e internacionais, com conquista de títulos regionais e nacionais. O mais novo dos netos, André constitui o garante desta  ligação ao mar pelos resultados já obtidos
Na sua atividade, Victor Caires, além de praticante e dirigente, cedo obteve carta de Patrão de Costa e de Instrutor, integrando vários júris da Capitania do Porto do Funchal, para qualificação de desportistas náuticos. É sócio do Clube Naval do Funchal desde a sua fundação, do qual é, aliás, Sócio Honorário. É também um dos fundadores dos Escutas Marítimos, do Corpo Nacional de Escutas em 1953, sendo o seu primeiro chefe.
Foi Diretor do Centro Náutico da Mocidade Portuguesa no Funchal entre 1966 e 1974, tendo depois coordenado o lançamento das Escolas de Vela da Direção Geral dos Desportos em 1975.
Formador de vários cursos de Marinheiro Amador do Clube Naval no Funchal e na Calheta entre 1986 e 1992.
Na área da comunicação colaborou com temas náuticos no “Jornal da Madeira”, “Diário de Notícias” do Funchal, “Correio da Madeira”, “Re-nhau-nhau” e “Sempre Fixe”, também foi correspondente na Madeira da revista ” Vela”, “Gazeta dos Desportos”, “Diário de Lisboa” e da agência noticiosa “France-Presse”
Nas duas últimas décadas da longa dedicação ao mar, publicou nas revistas “Margem” e “Islenha” temas sobre a gente do mar, vapores costeiros e faróis da Região, No ano de 1997 foi editado o livro da sua autoria “Aragens da Madeira” com histórias da Beira-Mar. Em 2008 nos 500 anos da cidade do Funchal “Crónicas da Beira Mar”. Também é co-autor do livro sobre “50 Anos de História” do Clube Naval do Funchal 1952/2002, trabalho em conjunto com Catanho Fernandes.
A sua atividade profissional foi a de Técnico de desenho, ao longo de três décadas, na Indústria de Bordados.
Boa navegação nas milhas que ainda há de percorrer, nesta constante ligação do dia a dia com o maior campo desportivo da Região, o mar que nos rodeia.