Desafio principal de Jorge Carvalho é “melhorar todos os indicadores em termos de Educação”

 

Jorge Carvalho é um político do terreno. Veio da escola, pensa a escola e está diariamente na escola. Primeiro a Educação Física, depois a política e um compasso de tempo na gestão escolar, a antecâmara para a tutela da pasta da Educação, Ciência e Tecnologia no Governo de Albuquerque. O Secretário regional da Educação, Ciência e Tecnologia quer um sistema educativo preparado para vencer os grandes desafios emergentes. Não se trata de retórica mas de olhar para a realidade e agir em conformidade com as solicitações de um tempo com um desenvolvimento técnico acelerado que tem implicações inevitáveis no modus operandi das instituições escolares.

Confrontado sobre os grandes desafios que se coloca ao ensino na Madeira, Jorge Carvalho olha para esse mundo de solicitações e destaca ao Funchal Notícias, à cabeça, a necessidade de, a cada ano, melhorar “todos os indicadores em termos em termos de Educação”. Há dados motivadores mas, sem trabalho, não há progresso: “Nós temos vindo a recuperar e a atingir patamares de excelência, como por exemplo, ao nível do aproveitamento do ensino básico – onde já ultrapassámos os 97% – , também é de salientar o processo da democratização da digitalização do ensino e a diminuição das situações de indisciplina. É essencial criarmos a cada ano melhores condições para que os professores desenvolver a sua missão de preparar as novas gerações  e para que os alunos possam também ter as melhores condições para que o processo de aprendizagem seja efetivamente competente e sólido, mantendo as nossas escolas vivas e ativas, acima de tudo, com um conjunto de projetos através dos quais vão desenvolvendo competências e preparando os nossos jovens nas mais variadas literacias e que nós sabemos que são fundamentais para desempenhos futuros na nossa comunidade”.

Quebras para gerir com equilíbrio

Se há razões para dizer que o sol brilha no horizonte do ensino, também há sombras que estão a ser tidas em linha de conta. Uma das preocupações é a eventual redução de professores, por virtude da baixa de alunos e redução de escolas. Jorge Carvalho enfrenta a realidade dos factos e revela que a sua equipa procura gerir todas estas mudanças com uma visão de equilíbrio. Segundo o Secretário Regional,”a redução dos professores vai ocorrendo à medida que o sistema não vai necessitando dos mesmos”.  E acrescenta: “Todos os anos estamos a perder um número significativo de alunos. Há um conjunto de professores também que se vai aposentando. No equilíbrio dessas variáveis, vamos mantendo o sistema com os profissionais que são necessários, como tem acontecido nos últimos anos, para o pleno funcionamento das nossas escolas.”