Patrícia Dantas defende que o Estado afete mais meios e garanta uma maior valorização do Registo Internacional de Navios

“Está ou não o Governo da República disponível para assumir e corresponder, dentro das suas competências, à necessária valorização nacional do Registo Internacional de Navios da Madeira e fazer face ao seu crescimento exponencial – 800% desde 2013, em termos de tonelagem e de número de embarcações registadas, o que também deve ser motivo de orgulho para o País?” questionou, ontem, a deputada eleita pelo PSD/Madeira à Assembleia da República, Patrícia Dantas, na audição ao Ministro da Economia e do Mar que teve lugar no âmbito da discussão, na especialidade, do Orçamento do Estado.

Ocasião em que fez questão de perguntar ao Ministro se haveria ou não abertura, por parte da República, para reforçar os meios técnicos e humanos qualificados da DGRM, de modo a fazer face ao crescimento deste Registo – melhorando, por essa via, o nível de serviço prestado aos armadores mas, também, para dar continuidade ao processo de digitalização, para assumir o conceito “Green concept” no que respeita ao registo de navios e Portos Portugueses e para facilitar, igualmente, a comunicação entre as empresas de shipping com a DGRM.

“Ao contrário da primeira versão da visão estratégica, peço-lhe que não se esqueça da Madeira e que tenha em linha de conta que o Registo Internacional de Navios da Madeira é um dos maiores da Europa e ambiciona ser o terceiro, não só em termos de número de navios e tonelagem, como em critérios de qualidade de serviço, conformidade ambiental e sustentabilidade” fundamentou a deputada, lembrando que este Registo rendeu mais de 2 milhões de euros de receitas para a DGRM e para os quais “o investimento e suporte do Governo Regional da Madeira foi fundamental”.

Patrícia Dantas que, na sua intervenção, fez ainda alusão às potencialidades de Portugal no domínio do mar, tendo frisado que “48% da totalidade de águas marinhas na União Europeia está no triângulo marítimo português: Continente, Açores e Madeira”.