SESARAM retoma curso de formação em suporte avançado de vida

O SESARAM retomou a a actividade formativa em Suporte Avançado de Vida (SAV), curso com certificação europeia realizado desde 2018, no Centro de Simulação Clínica da Madeira.

No total das quatro acções que se irão realizar até ao mês de Maio, serão abrangidos 48 formandos, informa-se.

A reanimação é fundamental e o SAV é uma formação importante na preparação de profissionais de saúde para situações de abordagem a doentes críticos, acrescenta-se.

A formação, que esteve suspensa ao longo de 2020, fez o seu retorno com a introdução de ajustamentos ao nível dos equipamentos de protecção individual, visando ensinar aos formandos todas as modificações necessárias para a reanimação de doentes neste contexto pandémico.

Adelina Pereira, presidente do Conselho Português de Ressuscitação e formadora deste SAV, quando questionada acerca das alterações realizadas e das diferentes circunstâncias desta formação, recordou que acompanhou todo o processo de certificação dos cursos, iniciado em 2018, tendo sido apenas suspensos os de 2020, em qualquer parte do país, refere uma nota.

“Foi necessário parar. Parámos aqui e em todo o lado. Foi difícil conjugar a formação e o juntar de pessoas, tudo o que era presencial foi cancelado. Entretanto percebemos que não podemos parar, porque a formação das pessoas é essencial tanto mais nesta situação de Covid com doentes críticos. Nós precisamos de continuar a formar profissionais para terem capacidade de fazer face [às necessidades] e integrarem equipas na resposta à Covid”, diz.

Neste contexto pandémico, “foi muito claro que o que caminho que tínhamos de percorrer era continuar a formação em reanimação e integrarmos nessa formação o que é a abordagem a um doente suspeito e todas as medidas de segurança que são necessárias para continuarmos a trabalhar. A banca de demonstração foi adaptada e modificada para a pandemia, para podermos treinar”, explicou.

A preparação para o SAV começa um mês antes da formação prática, através de plataformas online onde os formandos recebem manuais e vídeos, com conversação online e exposição de dúvidas. O “hands on” é feito num cenário com os doentes críticos e doentes em paragem, com ‘bancas’ adaptadas às necessidades actuais.

Ainda em 2021, o SESARAM tornar-se-á autónomo para a realização destes cursos com a certificação europeia.