Mais de mil alunos do “Liceu” celebram a alegria e a união com a apresentação da coreografia “Jerusalema Challenge”

Fotos do Grupo de Educação Física da ESJM.

“Jerusalema Challenge” é uma coreografia que se tornou num símbolo de luta e dos cuidados a ter face à COVID-19.  Nesta coreografia, quem dança não toca uns nos outros, como convém em tempos de pandemia. É um fenómeno que começou em África, que se tornou viral e único, por ser uma expansão da alegria e da união que tanto faz falta nos dias que correm.

É neste contexto que o Grupo de Educação Física da Escola Secundária Jaime Moniz abraçou o Projeto “Jerusalema Challenge”, ao envolver 16 professores, 51 turmas e aproximadamente 1020 alunos. As atuações começaram ontem, à entrada e no campo do “Liceu”, e decorrem até amanhã, em diferentes espaços da instituição escolar.

Alunos e professores, em tempo de pandemia, e respeitando todas as regras de distanciamento, mostram com o exercício físico e com muita motivação,  que é possível celebrar a alegria e a união dos povos através do exercício físico e da música, numa simbiose que tem cativado alunos e professores, segundo informa à Comunicação Social Fernanda Coelho, delegada do Grupo Disciplinar de Educação Física.

Não se trata apenas de mais uma coreografia. Vários domínios da personalidade dos jovens são trabalhados de forma interdisciplinar. Os objetivos gerais visam “sensibilizar para a importância na luta contra a COVID-19, pelo respeito e cumprimento das normas e orientações definidas (DGS), plano de contingência da escola. Pretende-se ainda sensibilizar para a importância da prática da atividade física reconhecida como um fator relevante na promoção da saúde e do bem-estar”.

Este projeto insere-se no âmbito do Projeto de Cidadania e Desenvolvimento, o que significa que não se esgota na apresentação da coreografia mas também na força da sua mensagem, visto que possui um potencial de atividades a desenvolver nas diversas disciplinas com temas e subtemas a serem explorados, nomeadamente na saúde, interculturalidade, direitos humanos, segurança, defesa e paz, conforme a criatividade da comunidade educativa.

O “Jerusalema Challenge” desempenha um papel importante ao permitir a abordagem de problemas atuais da humanidade, nomeadamente a pandemia,  os comportamentos xenófobos e racistas, entre outros. Os dinamizadores acreditam “na pertinência e potencial do Projeto”.