Branqueamento de capitais põe à prova “robustez das democracias”

O Presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, disse ontem, no encerramento das Jornadas sobre Branqueamento de Capitais, uma iniciativa promovida pelo Conselho Regional da Madeira da Ordem dos Advogados, no Centro de Congressos da Madeira, que o branqueamento de capitais constitui um desafio para a Justiça e para o Estado de Direito, que põe à prova a robustez das democracias e cujo combate exige destas a alocação de avultados recursos financeiros, uma grande especialização técnica e acima de tudo cooperação internacional.
O governante reconheceu, contudo, que esta ameaça à robustez das democracias tem na crescente financeirização da economia global e na aceleração das tecnologias da informação um aliado de peso, que afeta seriamente a capacidade de intervenção dos agentes institucionais e económicos tradicionais – os Estados, as empresas e as famílias – e, sobretudo das instâncias judiciais.
O Presidente do Governo Regional louvou a iniciativa do Conselho Regional da Madeira da Ordem dos Advogados.