Autoridades civis não poupam nos elogios ao Rally Vinho da Madeira

O presidente do parlamento madeirense, José Manuel Rodrigues, congratulou os vencedores, os participantes e o público do Rally Vinho da Madeira, considerando que os cidadãos “na sua maioria, tiveram um bom sentido cívico, respeitando a segurança de todos”.

“Parabéns ao Miguel Nunes e ao João Paulo pela vitória no Rali Vinho da Madeira. Quem não desiste acaba sempre por vencer”, disse por outro lado, endereçando felicitações aos vencedores.

A prova foi ganha por Miguel Nunes e João Paulo Vieira, seguidos por outra dupla madeirense composta por Alexandre Camacho e Pedro Calado, que ficaram a 13,1 segundos do primeiro classificado. Os espanhóis Jose Maria Lopes e Borja Rozada completaram o pódio, a 24 segundos de Miguel Nunes.

Bruno Magalhães e Carlos Magalhães, a 34,2 segundos do vencedor, foram a melhor equipa entre os representantes do Campeonato de Portugal, no Rali Vinho Madeira, refere a nota da ALRAM.

Pelo seu lado, e por parte da organização do Rali, do CS Madeira, José Paulo Fontes considerou que “só temos que agradecer a todos pela prova ter corrido bem. O público teve um comportamento exemplar na estrada”, e, em seu entender, seguiu as normas e os apelos que foram feitos pela parte organizativa da prova automobilística.

Não deixaram, no entanto, de surgir imensas críticas de todos os sectores, com grande visibilidade nas redes sociais mas também na comunicação social, sobre o facto do Rally não ter sido suspenso, enquanto o foram exemplos que atraem inúmeros turistas à RAM, por exemplo a Festa da Flor; e de se ter verificado, em muitos casos, que em muitos locais a assistência não cumpriu com o distanciamento social preconizado pelas autoridades de saúde. Evidências que estão perante o olhar de qualquer um.

Pela sua parte, o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, considerou que o Rally “foi um grande sucesso em termos de segurança e de prevenção”. O público, defendeu, cumpriu as indicações das autoridades de saúde, nacionais e regionais. O rali “ficou marcado pelo espírito cívico e de solidariedade”.

“Numa altura em que precisamos de algumas festas e eventos bem organizados, acho que este é um exemplo (…)”, afirmou.