Exame atípico de Português surpreende estudantes pela negativa

A maratona dos exames nacionais arrancou esta manhã com a realização da prova de Português que surpreendeu, pela negativa, grande parte dos estudantes, assim como muitos dos próprios docentes. Como já se verificou no ano letivo anterior, o exame nacional de Português prima pelo seu caráter imprevisto, desviando-se cada vez mais das metas curriculares definidas.

42 mil alunos fizeram a sua inscrição no exame de Português, que tradicionalmente abre a primeira fase de exames nacionais. A prova iniciou-se pelas 09h30 e terminou pelas 11h30, embora com mais 30 minutos de tolerância.

À saída, os jovens mostravam-se desiludidos com uma prova que deixou de parte grande parte dos conteúdos lecionados no 12.º ano de escolaridade e privilegiou outros autores e questões com tabelas para o preenchimento de texto lacunar, a partir da indicação de alternativas.

No primeiro grupo da prova, A, apresentam-se dois excertos do imortal Eça de Queirós, A Ilustre Casa de Ramires (desconhecida da maioria dos estudantes) e Os Maias, conteúdo do 11.º ano de escolaridade, com evidente sátira a Portugal. Ainda no I grupo, a questão B foi a única em linha com o programa de 12.º ano, ao nível da Educação Literária, com um poema do heterónimo de Fernando Pessoa, Ricardo Reis, sobre a omnipotência do destino e a fugacidade da vida.

Também o II grupo do exame apresentou uma estrutura que surpreendeu os estudantes, novamente chamados a preencher uma tabela, a recordar conteúdos que até agora não têm tido atenção em exames anteriores, como os processos fonológicos na formação das palavras, entre outros.

No grupo III, a produção de texto também colheu de surpresa os examinandos,  que esperavam o clássico texto de opinião, mas foram chamados a redigir uma apreciação crítica de um cartoon que os convidava a refletir sobre a escrita e os obstáculos à liberdade de expressão.

Português deixa também de ser a prova mais realizada, uma vez que não será obrigatória para todos os finalistas, contando com apenas 41.887 inscrições, em comparação com as mais de 77 mil do ano anterior.

O exame mais concorrido na primeira fase é Biologia e Geologia (44.047 inscrições), seguindo-se Física e Química A (42.269), Português e Matemática A (38.669).