Barreto gostava que as empresas da Madeira ganhassem o concurso internacional que vai mudar os transportes públicos na Região

Rui Barreto, líder do CDS, secretário da Economia, assegura que os deputados socialistas estarão sentados durante quatro anos na oposição, uma vez que este governo de coligação é para cumprir o mandato. Foto Rui Marote

O secretário regional da Economia considerou hoje, no âmbito do debate parlamentar sobre o Orçamento Regional 2020, que este é um bom documento, apontando várias garantias como o aumento do investimento de 18 milhões na área da Saúde, acelera a redução das listas de espera, rendas acessíveis, reforça os cuidados continuados, preços baixos nos passes sociaism redução dos custos nas creches, tem uma forte componente social que haverá condições para as empresas.

Barreto anunciou que “o OE2020 proporciona a injeção de 42 milhões de euros no tecido económico da Região, garantindo a comparticipação regional nos instrumentos comunitários de apoio, cumprindo-se assim um desígnio desta governação Mais empresas geram mais e melhor emprego, inovação, competitividade, desenvolvimento sustentado e sustentável. Devo dizer até que, em matéria de fundos comunitários, a Madeira tem a mais alta taxa de compromisso do País, 93%.”.

O governante revela que o atual quadro comunitário, permitiu apoiar 3100 projetos e foram injetaram mais de 130 milhões com a 1250 postos de trabalho, aproveitando o momento para homenagear os empresários e os trabalhadores, os primeiros pelo investimento, os segundos pela decicação. “Eu quero ser a pessoa menos importante na Economia, importantes são os empresários e investidores. E já anunciámos o conselho consultivo da Economia e queremos governar ouvindo aqueles que mais sabem daquilo que fazem”.

Rui Barreto deixou um alerta para que o Governo da República consiga negociar um bom quadro comunitário de apoio, tendo em conta o todo nacional, incluindo as Regiões Autónomas”, fazendo ainda alusão ao facto da secretaria que tutela ser a segunda área com maior investimento no PIDDAR, cerca de 60 milhões”.

O concurso público internacional que vai mudar a face dos transportes públicos na Região foi outro foco dado por Rui Barreto na sua intervenção, sendo que o governante assegura que irá permitir o passe e bilhete únicos, organização de carreires e percursos e rejuvenescimento da frota de autocarros, grantindo segurança e menos emissões de carbono, bem como preços baixos, além da manutenção dos postos de trabalho, ganhe quem ganhar as concessões. E, permitam a inconfidência, gostaria que as empresas da Madeira ganhassem o concurso, uma vez este governo defende primeiro aquilo que é nosso e só depois o que vem de fora”.

A garantia que a Horários do Funchal irá manter-se empresa pública, a criação da Agência de Investimento e o investimento no Polo Tecnológico da Ribeira Brava foram referências feitas, também, por Rui Barreto.

Para o PS, uma “farpa”, o secretário da Economia garante que “o futuro deste governo é de quatro anos. Convençam-se os deputados do Partido Socialista, estarão sentados durante quatro anos e a vossa prestação, neste debate do Orçamento, tem sido incapaz de afirmar alternativa, tal como o desnorte que traduz”.