Cláudia Monteiro de Aguiar questiona Comissão Europeia sobre medidas face à falência da operadora Thomas Cook

Cláudia Monteiro de Aguiar I

A eurodeputada madeirense Cláudia Monteiro de Aguiar questionou a Comissão Europeia acerca das medidas concretas que serão tomadas para minimizar os impactos negativos decorrentes da falência da operadora britânica Thomas Cook nas economias das regiões europeias, como é o caso da Madeira e do Algarve.

Na oportunidade, a social democrata perguntou que tipo de ajudas europeias estão disponíveis para apoiar as empresas e os postos de trabalho afetados e alertou, ainda, para a necessidade de serem salvaguardados os direitos dos passageiros, em caso de insolvência.

Durante a sua intervenção, a eurodeputada fez questão de sublinhar a sua preocupação perante a falta de apoio às empresas do sector do turismo que se encontram dependentes destes grandes operadores e muito vulneráveis a cenários de colapso, como este. “Esta falência levou à perda de milhares de postos de trabalho, a uma quebra económica de inúmeras regiões e destinos, com a perda consecutiva da capacidade aérea e, por isso mesmo, a Comissão, juntamente com os Estados-Membros, deve acionar todos os meios e todos os apoios que estiverem ao seu alcance para atenuar as consequências nos destinos que forem afetados”, sublinhou Cláudia Monteiro de Aguiar, acrescentando “que deve existir, neste e em outros casos semelhantes, uma estratégia concertada e eficaz nas soluções a apresentar ”.