Próximo Governo Regional poderá ser um dos Executivos organicamente com mais Departamentos

Gráfico partilhado por Gregório Gouveia.

O XIII Governo Regional após o 25 de abril (que agora se inicia) poderá ser o mais “volumoso”. Até hoje, o Governo de Miguel Albuquerque que começou a Legislatura, em Abril de 2015, foi um dos que contou com mais membros no Executivo de uma só vez, 9.

Em 2015, Albuquerque começou com 8 secretários Regionais (Sérgio Marques, Rui Gonçalves, Rubina Leal, Eduardo Jesus, Jorge Carvalho, Susana Prada, Manuel Brito e Humberto Vasconcelos). Depois mudou a fórmula e adoptou o que Jardim já tinha experimentado no V Governo -1988-92 (Miguel de Sousa), VIII, IX, X e XII Governos Regionais (Cunha e Silva), que tiveram Vice-Presidências.

Ao longo da última Legislatura, Miguel Albuquerque fez entrar Pedro Calado para Vice-presidente do Governo (outubro de 2017) assim como Amílcar Gonçalves, Paula Cabaço e Rita Andrade e dispensou Sérgio Marques, Rui Gonçalves, Rubina Leal e Eduardo Jesus. Também saíram Manuel Brito (em agosto de 2015), para entrar Faria Nunes e, posteriormente, Pedro Ramos.

Quanto a Governos mais pequenos, tivemos o primeiro de Ornelas Camacho (1976-1978), e os de Jardim: o IV (1984-1988) e o XI (2011-2015) com apenas 7 governantes.

Com um Governo de coligação PSD-CDS que está, neste momento, a ser construído, adivinha-se que possa ser um dos Executivos com mais departamentos de topo. E, eventualmente, com mais direções regionais.