Temporada do Teatro Baltazar Dias na linha da “democratização” da criação artística

Teatro temporada Madalena NunesA vereadora Madalena Nunes, que tem o pelouro da Cultura na Câmara Municipal do Funchal, revelou hoje que “a reposição nos meses de junho e julho de 2020 dos espetáculos “Safe” de Henrique Amoedo / Dançando com a Diferença e “A Pulga Atrás da Orelha” do Teatro Feiticeiro do Norte”, marcam a nova temporada do Teatro Municipalç Baltazar Dias, que irá trazer “9 coproduções”

A temporada da principal casa de espetáculos da cidade foi ontem apresentada e das novas coproduções destacam-se o Festival de Marionetas e Formas Animadas – MARIOFA em colaboração com a Associação Nuvem Aquarela que irá acontecer em outubro no Funchal, o “Imageplay”, um evento de videoarte com o investigador Hernando Urrutia, em novembro,  e uma encomenda artística de uma composição musical a Sérgio Azevedo que vai estrear em Maio de 2020, numa colaboração com o Conservatório – Escola Profissional das Artes da Madeira”.

A nova temporada artística do Teatro Municipal “foi trabalhada a partir de 3 eixos temáticos, seguindo linhas programáticas que colocam a cultura como uma ferramenta de reflexão e de transformação social. Neste sentido, os espetáculos “Ensaio de Fundo” de Ana Sofia Nóbrega, em Outubro, “Solo de Maria” de Maria Tembe, em Dezembro, e “Mulheres do Meu País” de Raquel Freire, em Março, irão abordar a questão dos direitos humanos. Por sua vez, no sentido de preservar e divulgar as tradições musicais de raiz popular, irá ser realizado no Funchal o “Encontro de tocadores de Viola de Arame” e o musical “Milho por Peixe”. Por fim, a temática do meta-teatro irá trazer ao Funchal a atriz Sara Barros Leitão com “Teoria das Três Idades”, em dezembro, e o espetáculo “A última noite do capitão” de Filipe Crawford”.

Madalena Nunes começou por destacar que “em 131 anos de história esta é apenas a terceira vez que é lançada uma temporada artística nesta casa, desde Setembro de 2017 que o Teatro Baltazar Dias passou a contar com uma temporada artística e com a definição de linhas programáticas, num trabalho diário de reinvenção para melhor servir os diferentes públicos, e é sempre esse o nosso interesse e a nossa preocupação, chegar a diferentes públicos”.

“Para esta temporada 2019/2020 voltamos a reforçar o caminho que temos trilhado nestes últimos anos e que se constitui como uma das missões deste teatro, queremos nos afirmar como parceiros privilegiados dos artistas e das associações culturais, tornando o acesso à criação artística cada vez mais democrático, inclusivo e plural. Neste sentido, temos apostado num número cada vez mais crescente de coproduções e produções próprias, num investimento financeiro significativo que já não se verificava há 11 anos nesta casa, e não queremos ser parceiros apenas financeiramente, mas acompanhar os projetos, ceder espaços de trabalho, disponibilizar temporadas mais longas nas produções e estar atentos às diferentes fases do processo criativo.”