Gil Alves lembra a importância do enquadramento legal para os 12 médicos dentistas que trabalham na Saúde pública

Pedro Ramos Ordem Médicos DentistasO representante do conselho diretivo da Ordem dos Médicos Dentistas na Região, revelou hoje que “a aprovação da Carreira Especial de Medicina Dentária na Região vai permitir o enquadramento legal aos 12 médicos dentistas que atualmente exercem a sua profissão nos Centros de Saúde da RAM e no Hospital Central do Funchal, facultando-lhes, entre outros, a possibilidade de progressão”.

Esta posição de Gil Alves surge na sequência da reunião que ocorreu hoje, de manhã, entre a Ordem dos Médicos Dentistas, com a presença do Bastonário Orlando Monteiro e o secretário regional da Saúde, à qual o Funchal Notícias já fez referência de manhã. Nessa reunião, ficou estabelecida a criação de um grupo de trabalho que vai concluir o processo de apresentação, na Assembleia, do decreto legislativo regional que cria a carreira especial daquela classe profisssional na Saúde.

Gil Alves recorda que “desde 1992 que os médicos dentistas vêm prestando serviço público ao Serviço Regional de Saúde da Madeira, com diversos tipos de contratos de trabalho nos Centros de Saúde e desde 2009 no Hospital. De resto, a implementação da carreira especial de medicina dentária, não constitui encargos financeiros para o Governo da RAM”.

Recorde-se que “há muito que a OMD reivindica a criação de uma carreira especial para os médicos dentistas que trabalham na função pública no Continente, Açores e Madeira.  A carreira especial de medicina dentária na área da Saúde entrará em vigor após aprovação na Assembleia Regional.

Na audiência, o bastonário da OMD apresentou ao Secretário Regional da Saúde as bases da carreira já aprovada pelo Ministério da Saúde para o Continente, que aguarda há quase dois anos homologação por parte do Ministério das Finanças.

Para Orlando Monteiro da Silva “esta iniciativa tem duas virtudes, a de enquadrar devidamente os médicos dentistas a exercer na RAM por um lado, e a de servir de exemplo para o Continente. Recorde-se que o presidente do governo da Região Autónoma dos Açores, Vasco Cordeiro, já se disponibilizou para analisar e estudar este assunto quanto às suas diversas implicações e, a partir daí, tomar uma decisão que possa dar conta da nossa posição face a uma carreira específica”.