Clube “Os Especiais” tem novo projecto desportivo: basquetebol para surdos

O Clube Desportivo “Os Especiais” tem um novo projecto desportivo:  o Basquetebol para a Comunidade Surda. Esta agremiação tem dinamizado múltiplas modalidades desportivas federativas para pessoas com deficiência.

O desenvolvimento de projectos com cunho social de inclusão é de extrema importância para uma sociedade melhor”, refere o clube.  O Basquetebol para Surdos nasce com o objectivo de se tornar como ferramenta de transformação social, a exemplo das outras modalidades/área de deficiência dinamizados no seio do Clube, proporcionando prática federada a desportistas com condição de surdez e que sejam incluídos no desporto federado.

É importante serem inseridos na sociedade e queremos que ganhem autonomia e sejam activos na vida e fora do desporto e ao mesmo tempo promover a sensibilização da sociedade para as dificuldades e qualidades das pessoas surdas.

O projecto iniciou-se em maio com 10 jogadores (masculinos e femininos, com idades entre os 12 e 17 anos) e a receptividade dos jogadores tem sido alta, “pois o deficiente auditivo é muito visual eles gostam muito de movimento”, refere uma nota de imprensa, que anuncia também que se pretende uma parceria com a Associação de Basquetebol da Madeira (ABM) para participações em provas de âmbito nacional.

“O basquetebol para surdos está direccionado para qualquer faixa etária e sobretudo para pessoas com surdez ligeira, moderada ou severa (usam aparelhos auditivos) ou para pessoas que usam implante coclear diagnosticados como surdez sensorioneural severa ou profunda”, refere o Clube “Os Especiais”.

Neste projecto figuram os jogadores Débora Abreu, Juliana Batista, Ana Jesus, Margarida Branco, Marisa Diogo, Gonçalo Faria, Paulo Silva, Francisco Gouveia, Pedro Santos e Hélder Silva.