Banco de Portugal lança esta terça-feira novas notas de 100 e 200 euros e alerta para evitar fraudes

Notas novas
Segundo um relatório hoje divulgado pelo Banco de Portugal, em 2018 “foram retiradas de circulação em Portugal 18 047 contrafações de notas e 2801 contrafações de moedas de euro”. As novas notas de 100 e 200 euros irão circular em simultâneo com as da série anterior.

Amanhã, terça-feira, 28 de maio, são lançadas as novas notas de 100 e 200 euros. O administrador do Banco de Portugal, Helder Rosalino, alerta para a anecessidade de haver uma maior informação para evitar fraudes e burlas. “Devem ser melhor explicadas”.

As notas não são de grande circulação, sendo que os cidadãos não as utilizam com muita frequência, mas têm “um papel relevante como reserva de valor”. O administrador do BdP informa que “ninguém está mandatado para trocar notas em nome do Banco de Portugal” e esclarece que estas notas vão circular, em simultâneo com as anteriores, da primeira série, não sendo por isso necessária a troca.

As notas dispõem de mecanismos de segurança inovadores, permitindo atestar se são ou não verdadeiras, através do método “tocar, observar e inclinar”.

Esta apresentação surge num contexto em que o Banco de Portugal divulga um relatório da emissão monetária em 2018, ano em que o BdP “verificou a genuinidade e a qualidade de 698 milhões de notas de euro, mais 8% do que no ano anterior, e de 63 milhões de moedas, mais 34% do que em 2017, que recebeu das empresas de transporte de valores e do público. Segregou 127 milhões de notas e 327 mil moedas que não apresentavam qualidade suficiente para regressar à circulação. Também conduziu 535 ações de inspeção a instituições de crédito e a empresas de transporte e tratamento de valores para verificar a conformidade dos seus procedimentos de controlo da genuinidade e da qualidade do numerário”.

Durante o ano passado, “foram retiradas de circulação em Portugal 18 047 contrafações de notas e 2801 contrafações de moedas de euro. As contrafações das notas de 20 e de 50 euros e da moeda de 2 euros continuaram a ser as mais apreendidas. O Banco de Portugal trocou 37 863 notas de euro e de escudo danificadas ou mutiladas, num total de 1,8 milhões de euros. Trocou ainda 48 903 notas de escudo, no valor global de 768 mil euros. No final do ano, continuavam em posse do público 11,5 milhões de notas de escudo passíveis de ser trocadas após essa data, no valor de 96,3 milhões de euros; deste montante, mais de um terço correspondia a notas de cinco mil escudos.”.

O mesmo relatório, agora divulgado, revela que “o valor das notas depositadas no Banco de Portugal desde a introdução do euro excedia em 17 mil milhões de euros o valor das notas levantadas (14 mil milhões de euros no final de 2017). O montante acumulado de depósitos é superior ao valor acumulado dos levantamentos desde 2010. Este resultado decorre do facto de, nos últimos anos, ter entrado em Portugal, por via do turismo, uma elevada quantidade de notas, sobretudo de maior valor, que não tem sido totalmente absorvida pela procura. Estará ainda relacionado com o crescente recurso aos pagamentos com cartão”.

Ao longo do ano, expressa a mesma informação, “foram levantados do Banco de Portugal 11 261 milhões de euros em notas (660 milhões de notas), mais 3,2% do que em 2017, e depositados 14 056 milhões de euros em notas (690 milhões de notas), sobretudo por empresas de transporte e tratamento de valores, em nome das instituições de crédito. As notas de 20 e de 10 euros foram as mais procuradas em Portugal, ao representarem, respetivamente, 47,5% e 40,1% da quantidade de notas levantadas no Banco de Portugal em 2018. A nota de 200 euros foi a menos requisitada”.

No relatório, pode ler-se, ainda, que “as moedas mais procuradas foram as de 1, de 2 e de 5 cêntimos, que representaram, respetivamente, 36,4%, 24,8% e 14,1% da quantidade de moedas levantadas. A moeda de 2 euros foi a menos requisitada e, simultaneamente, a mais depositada no Banco de Portugal. Para regularizar os excedentes acumulados de moeda de 2 euros, o Banco de Portugal trocou, pelo valor facial, com o Banco Central da Eslováquia, 10 milhões de moedas de 2 euros por 20 milhões de moedas de 1 euro. Esta é a segunda operação de troca de moeda realizada pelo Banco de Portugal, depois da realizada com a Irlanda em 2017 e que envolveu o envio de moedas de 2 euros, por contrapartida do recebimento de moedas de 1 e de 2 cêntimos”.