Bloco de Esquerda defende serviço público nas ligações aéreas para o continente

O Bloco de Esquerda esteve no Aeroporto da Madeira para defender o serviço público nas ligações aéreas para o continente. Actualmente, os preços “disparam para valores absurdos e insuportáveis”, criticou Paulino Ascensão. “Isto prejudica os madeirenses, mas também os turistas que nos visitam a partir do continente”. Para este político de esquerda, “a liberalização é a raiz deste problema e enquanto não regressarmos a um modelo de serviço público, por mais remendos que o Governo Regional invente, não sairemos disto”.
“Até os partidos mais ferrenhos defensores da liberalização e dos interesses privados apelam à intervenção do Estado, o que é contraditório e incoerente, já que a liberalização define-se exactamente pela ausência de intervenção do Estado”, disse.
“O PSD apela à intervenção do Governo central, na qualidade de accionista da TAP, no sentido de dar ordens a administração para baixar os preços nas ligações para a Madeira. Ora se é necessário o Governo intervir isto é a demonstração de que a liberalização não funciona!”, conclui o BE.
“O PSD e outros (PS e CDS) apela a intervenção do Estado na atraçcão de outras companhias para fazerem concorrência na Madeira. Mais uma vez trata-se de uma proposta contrária à liberalização, esta está a falhar e por isso o Estado deve intervir. Além disso é de loucos o Estado, que é dono da TAP (de parte) subsidiar outra companhia, estrangeira, para fazer concorrência à TAP”, disse Paulino.