Entrevista a Edgar Silva: “Não podemos permitir que uma torpe alternância não toque na natureza das políticas, apenas substituíndo uns por outros”

Foi reeleito coordenador regional do PCP-Madeira no congresso do passado fim-de-semana. Em entrevista ao Funchal Notícias, Edgar Silva fala da política e da Igreja Católica, da escravatura e da importância de uma alternativa política e de uma política alternativa.

FUNCHAL NOTÍCIAS: Há quase 20 anos que é o coordenador regional do PCP. Que razões o levaram a recandidatar-se?
EDGAR SILVA: Numa etapa de profunda renovação e rejuvenescimento, com uma nova geração de pessoas muito jovens integradas neste X Congresso Regional em toda a direção política, os militantes do PCP consideraram que seria necessária, no actual quadro político e face às batalhas políticas que temos por diante, a minha participação na direção como coordenador Regional.

FN:Quais os objectivos do PCP para as Regionais de 2019?
ES:Os objectivos para as próximas eleições regionais centram-se na afirmação de uma alternativa política e na aposta numa política alternativa. Não podemos permitir que uma torpe alternância não toque na natureza das políticas, apenas substituíndo uns por outros no comando da política de direita.

Diversidade de partidos não assusta

FN:Teme que o aparecimento de novos partidos (Aliança, Iniciativa Liberal, etc.) contribuam para a dispersão de votos e, com isso, o PCP saia prejudicado?
ES:Quanto à quantidade de partidos e de candidaturas nas próximas eleições, a pluralidade faz parte da natureza da vida democrática.

FN:Será que é em 2019 que o PCP-M consegue eleger um deputado a São Bento?
ES:Se o PCP eleger mais deputados à Assembleia da República em muito mais ficarão a ganhar os trabalhadores e o povo. Como se viu agora no Orçamento de Estado para 2019, as importantes propostas aprovadas em defesa do interesse público e da Região contaram com o decisivo contributo dos deputados do PCP.

“O PCP renovou 100%”

FN:As políticas e os políticos devem mudar periodicamente. No PCP pedem-se novas políticas mas os políticos são quase sempre os mesmos. É justa esta crítica?
ES:O Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia Legislativa Regional da Madeira é o mais jovem e, no presente, é todo novo quando comparado com a anterior legislatura. O PCP renovou 100%! O mesmo se poderá dizer quanto à representação autárquica.

FN:Quem será o cabeça de lista do PCP-M às Regionais, às Europeias e às Legislativas Nacionais?
ES:Nas próximas eleições os nossos candidatos farão parte das listas da CDU, listas essas que ainda não foram elaboradas.

Nota a Marcelo: Só no final do mandato

FN:Foi candidato a presidente da República em Outubro de 2015. Que nota dá ao professor Marcelo Rebelo de Sousa?
ES:Quanto ao actual Presidente da República a nota só poderá ser dada no final do mandato.

FN:“Até Amanhã Mário!” recorda-lhe o quê?
ES:“Até Amanhã Mário!” é uma história que aviva a longa memória da exploração e da escravatura na ilha da Madeira.

FN:Vai à missa todos os domingos?
ES:Participo em celebrações litúrgicas da Igreja Católica, mas não “todos os domingos”.

Novo Bispo: “Oxalá seja quem não tenha medo dos senhorios destas ilhas”

FN:Que bispo (perfil) gostaria de ver à frente da Diocese do Funchal?
ES:Quando se concretizar a nomeação de um outro bispo para a Diocese do Funchal, oxalá seja quem não tenha medo dos senhorios destas ilhas, nem se deixe comandar pelo poder político, nem seja subserviente ao poder económico. E que esteja profundamente identificado com a renovação da Igreja, de acordo com o Concílio Vaticano II.