Cafôfo salienta orçamento aprovado em reunião de Câmara com “aposta clara no social”

A reunião de Câmara na CMF ficou hoje marcada, segundo o edil Paulo Cafôfo, pela discussão das grandes opções do plano, e pelo orçamento para 2019, que será agora submetido à Assembleia Municipal. O mesmo foi aprovado, com os votos contra do PSD.

Cafôfo considerou, num comentário, que o orçamento que agora foi aprovado é “verdadeiramente pelas pessoas”.

“Não temos nunca as receitas necessárias para tudo aquilo que gostaríamos de fazer”, disse, mas “a política é a gestão dos possíveis”.

O presidente da Câmara Municipal sublinhou que este é um orçamento de continuidade do que foi realizado no mandato anterior. Tem algumas premissas, referiu: o aumento do investimento, a redução dos gastos, e o reforço dos apoios sociais.

Por outro lado, garante, no mesmo houve a inclusão de medidas propostas pelos partidos da oposição, numa atitude de “abertura e convergência” para um acordo político.

Referindo-se a três pilares essenciais, Paulo Cafôfo mencionou a aposta na Educação, na Habitação e o combate às assimetrias do concelho, particularmente na questão das zonas altas, com investimento nas acessibilidades e no saneamento básico.

O investimento sofre um aumento considerável, garante o edil. “Temos 26 milhões de euros para investimento”, garantiu, acrescentando haver ainda um orçamento de 13 milhões de euros para o plano de actividades.

Na educação, assegurou, nunca se investiu tanto, havendo 2,2 milhões de euros destinados a este sector, através de bolsas para ensino superior, manuais escolares e apoio para as crianças das creches.

O programa de eliminação do amianto, através do “Amianto Zero”, também prossegue. Para as águas e saneamento, estão previstos mais de oito milhões de euros. Aspecto importante é a remodelação de mais de 10 km de condutas de água que ainda são em fibrocimento, já com mais de 50 anos, nas freguesias de São Roque, Santo António e Monte.

Aspecto importante é também a segurança dos taludes da cidade, particularmente daquelas zonas que foram afectadas pelos incêndios de 2016. Há também mais de oito milhões de euros, garantiu Cafôfo, para a segurança definitiva destes taludes, que se sucede à limpeza e consolidação dos mesmos.

A remodelação da ETAR do Almirante Reis e a criação de uma nova estação nos Socorridos, além da requalificação da estação elevatória da Praia Formosa e do Arieiro, estão também previstos.

Para a requalificação de espaços culturais, nomeadamente o Museu de História Natural, está previsto um milhão de euros, assegurou. Tudo isto, salientou, com “a diminuição da dívida em 5 milhões de euros”.

Paulo Cafôfo disse ainda não compreender o sentido de voto do PSD, pois, afirmou, este partido apresentou onze medidas para este orçamento, sendo que oito delas já estão vertidas no mesmo. “Temos tido a abertura à inclusão de propostas”, frisou.

Neste orçamento, concluiu o edil, “estão zero euros de contratos-programa com o Governo Regional”, pois todas as propostas enviadas até agora ao Governo, de obras necessárias para a cidade mas que são de interesse regional “nunca foram aceites”.