JS-Madeira realiza XVI Congresso nos dias 29 e 30 do corrente mês

A Juventude Socialista-Madeira reúne-se, este fim-de-semana (dias 29 e 30 de Setembro), no Fórum Machico, no seu XVI Congresso. A esta reunião magna dos jovens socialistas, que deverá contar com mais de 120 participantes, Olavo Câmara, que será reconduzido para o terceiro e último mandato à frente JS-M, leva a moção “A Madeira à Tua Maneira”, documento que, segundo o próprio, vai ao encontro das preocupações dos jovens e daquilo que os madeirenses anseiam, ou seja, uma Região em que todos podem contribuir activamente na construção do seu futuro, refere uma nota dos jovens socialistas.

A sessão de abertura está marcada para as 11h30 deste sábado e registará as intervenções da presidente da Comissão Organizadora do Congresso (COC), Marina Barbosa, do presidente da Concelhia da JS-Machico, Diogo Viveiros, do presidente da concelhia do PS-Machico, Roberto Santos, do deputado à Assembleia Legislativa da RAM Avelino Conceição e do presidente da Câmara Municipal de Machico, Ricardo Franco. Segundo Marina Barbosa, presidente da COC, o congresso da JS é pela segunda vez consecutiva realizado fora do Funchal, sendo que a opção por descentralizar o congresso “cumpre o objectivo de recordar a importância dos restantes concelhos da Região e valorizar e conhecer no terreno a obra do PS nas autarquias a que preside”.

Na parte da tarde, José Luís Vieira, Sérgio Abreu, antigos presidentes da JS-M, e Célia Pessegueiro, presidente da Câmara Municipal da Ponta do Sol, que foi a única mulher que dirigiu a estrutura regional dos jovens socialistas, proferirão alocuções. Pelas 16h15, terá lugar a apresentação, discussão e votação da moção de estratégia global “A Madeira à Tua Maneira”, de Olavo Câmara, momento que será seguido de diversas intervenções dos delegados ao congresso..

Já pelas 18h30, o debate “Ganhar 2019 – A Madeira à Tua Maneira”, contará com a participação do candidato do PS-M às Eleições Legislativas Regionais, Paulo Cafôfo.

No domingo, a partir das 09h00, terão lugar as votações para os órgãos regionais da JS-M e militantes honorários e de honra.

A sessão de encerramento do Congresso está marcada para as 11h00 e contará com as intervenções do presidente honorário do PS-Madeira, Emanuel Jardim Fernandes, do presidente do PS-M, Emanuel Câmara, do secretário-geral da Juventude Socialista, Ivan Gonçalves, e do presidente da JS-M, Olavo Câmara.

Na moção de estratégia global que levará ao congresso, o líder da “jota” socialista aponta linhas orientadoras em seis áreas prioritárias, nomeadamente Emprego, Educação, Mobilidade, Habitação, Coesão Territorial e Mais Participação.

O responsável diz-se preocupado com a taxa de desemprego e de desemprego jovem na Região, bem como com a elevada taxa de emigração, considerando que o Governo Regional deve dar prioridade a estas matérias.

Por outro lado, Olavo Câmara defende uma educação gratuita, com propina zero e manuais escolares gratuitos, bem como de «uma educação de qualidade e virada para a sociedade e para as necessidades da Região Autónoma da Madeira».

No que se refere à mobilidade, área que tem sido alvo de políticas erradas por parte do PSD-M, o líder da JS-M defende a linha ferry entre a Madeira e o continente durante todo o ano, um modelo aéreo que satisfaça os madeirenses e uma aposta real nos transportes terrestres para todos os madeirenses, em particular para os jovens, propondo a criação de um passe combinado estudante, sub-25, de valor reduzido.

Programas de acesso à compra da primeira habitação e de arrendamento constituem outra das reivindicações de Olavo Câmara, o qual tem também na coesão territorial outra das suas bandeiras, salienta a nota da JS-M.

O líder da JS-M defende ainda mais participação dos jovens na política, na sociedade, nas causas públicas, na causa animal, nas alterações climáticas, nas questões de igualdade, nos centros de decisão política, como a criação de um orçamento participativo regional, uma maior descentralização administrativa, o regresso aos círculos concelhios, com um círculo corretor, e o aprofundamento da autonomia, que tem de ser discutida, pensada e aplicada