POOC do Porto Santo concluído em Dezembro e será o primeiro da Região, anuncia o deputado do PSD Bernardo Caldeira criticando José António Castro

bernardo-caldeira
Bernardo Caldeira diz que “relativamente a incompetência, fica atribuído o Doutoramento Honoris Causa ao Sr. Castro, e com distinção”.

O presidente da Comissão Política do PSD Porto Santo e deputado na ALRAM, Bernardo Caldeira, veio hoje a público reagir às declarações do líder do movimento “Mais Porto Santo”, José António Castro, ao Funchal Notícias, acusando o Governo Regional de “incompetência” no atraso do Plano de Ordenamento da Orla Costeira do Porto Santo.

Bernardo Caldeira aproveita para revelar que “o Plano está em execução e que será o primeiro na Região Autónoma da Madeira, estando prevista e anunciada a sua conclusão para Dezembro deste ano. O facto de este ser o primeiro a ser efectuado na Região, é bem demonstrativo da prioridade dada pelo Governo Regional ao Porto Santo”

O deputado acentua que “não deixa de ser irónico que o Sr. Castro venha falar em incompetência, sendo realmente um termo que lhe assenta muito bem, pelo menos para aqueles que não apresentam um síndrome de memória curta. Quem não se lembra da (in)competência deste senhor na gestão da empresa Irmãos Castro, e que levou a que todos os porto-santenses e madeirenses tivessem que pagar a sua falência, num total de 3 Milhões de Euros? Quem não se lembra da (in)competência deste senhor como Diretor do Parque de Campismo, que nada trouxe de novo excepto o estado de degradação em que o deixou, e bom ordenado que levava no fim do mês? Quem não se lembra da (in)competência deste senhor na gestão da ACIPS que envolveu Polícia Judiciária e cujo meio Milão de Euros de dívida impossibilitou a acção da mesma?”.

Bernardo Caldeira não poupa José António Castro, faz críticas contundentes e lança novas questões: “Quem não reconhece a (in)competência deste senhor, no momento da escolha em que passa a ser crítico? Coincide com a vitória do PSD em 2015, na qual fez campanha e pousou para a fotografia, e com os sucessivos “nãos” que ouviu ao pedido de um lugarzinho em qualquer lado, desde que bem remunerado. Por isso, relativamente a incompetência, fica atribuído o Doutoramento Honoris Causa ao Sr. Castro, e com distinção”.