Violência doméstica dá 2 anos e meio de pena suspensa em Santa Cruz e 5 mil euros de indemnização

Um dos factos provados revela que o arguido até dedicou música pedida na rádio “A cabritinha” à ex-companheira.

O Tribunal de Santa Cruz condenou recentemente um homem que maltratava física e psicologicamente a sua companheira.

O arguido, natural de Moçambique, foi condenado na pena de 2 anos e meio de prisão, suspensa pelo mesmo período, e na pena acessória de proibição de contactos com a vítima, de afastamento da residência e do local de trabalho da vítima e de frequência de um programa de prevenção da violência doméstica.

O arguido, empresário de padaria/pastelaria, estava com pulseira eletrónica e foi ainda condenado a pagar 5 mil euros de indemnização à vítima.

O Tribunal deu como provado que, desde que abriram o estabelecimento comercial de padaria, começaram os insultos à companheira, mesmo em frente a funcionários e clientes.

O arguido, com antecedentes criminais na condução de veículo em estado de embriaguez e ameaça agravada, chegou mesmo a atirar um porta-guardanapos à companheira que a atingiu num braço.

Há relatos de outras ocasiões em que intimidou, ameaçou e chamou nomes à ex-companheira.

No dia de aniversário da companheira, ligou para um programa de música pedida da rádio e dedicou-lhe a canção “A cabritinha”, do cantor popular Quim Barreiros.

A assistente sentiu-se profundamente humilhada pois na padaria escontravam-se várias pessoas.

Numa outra ocasião, o arguido fez várias ameaças de morte à ex-companheira e chegou a fazer uma tentativa de abalroamento da viatura onde seguia a vítima, na viaexpresso.